Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A cana, o açúcar e o álcool brasileiro
 
A cana, o açúcar e o álcool brasileiro
05/09/2011 as 18:39 h  Autor tenente dirceu  Imprimir Imprimir
Chegada ao Brasil em 1533, pelos colonizadores portugueses, a cana-de-açúcar sempre teve destaque. Foi testemunha de todas as fases da vida nacional, explorou a mão-de-obra escrava, sustentou oligarquias e sempre foi peça importante. A chegada das usinas, em substituição aos engenhos rudimentares, no início do século passado, deu novo impulso ao setor, transformando-o em estratégico, primeiro para a economia brasileira e depois para a ecologia mundial. Seus produtos básicos – açúcar e álcool – têm larguíssima aplicação nos setores alimentício, farmacêutico e energético. Isso sem falar da controversa cachaça, uma instituição nacional.

Durante a 2ª Guerra Mundial, boa parte da incipiente frota nacional de veículos foi movimentada com álcool de cana. Na escassez da gasolina importada – naquele tempo ainda não havia produção nacional -, o governo instalou destilarias que reprocessavam a cachaça, transformamdo-a no álcool consumido pelos motores. Nos anos 70, também com aporte governamental, criou-se o Proalcool, que naufragou por várias razões, entre elas a falta de tecnologia nos veículos da época, mas deixou o álcool anidro para adição à gasolina no lugar do poluente chumbo tetra-etila. Em 2003, quando a indústria automobilística brasileira lançou os veículos “flex”, com um sensor de reconhecimento para rodar tanto com álcool quanto com gasolina ou com a mistura de ambos, o combustível de cana ganhou novo vigor. E, a partir daí, houve uma corrida pelo aumento e modernização do parque de produção. O mundo se interessou pelo produto, outros países já pesquisam o carro bi-combustível e nós, até então, donos da cana e da tecnologia, estamos novamente na corda bamba.

No começo da indústria automobilística, o Brasil era o maior produtor de borracha do mundo, mas perdeu o mercado para países asiáticos. Hoje, ainda somos donos da maior fatia do mercado internacional de açúcar e do etanol. É preciso fazer todo o possível para manter essa posição de mercado pois vastas regiões nacionais hoje têm sua economia baseada no setor sucro-alcooleiro. Espera-se que governo, produtores e a sociedade saibam preservar e usufruir positivamente dessa estrutura, criada à custa de muito esforço, suor, lágrimas e até sangue de tantas gerações de brasileiros.
 
Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
. Dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
Nesse próximo sábado (27/11), a live no canal de Ananda Lima, será sobre a Literatura em Formosa do Rio Preto.
Os convidados são os escritores, Eromar Bonfim, Evadson Maciel e Arnone Santiago.
Todos falarão de suas obras publicadas e como a literatura influência em sua condição humana.
Conheça um pouco da potência criadora da região Oeste.
*****
Acesse o canal de Ananda Lima (https://youtu.be/zIPXxy4U1SI) e acompanhe essa e outras discussões que ocorrem todos os sábados, às 18 horas.
img
RSS  Artigos Artigos

O escritor foi e ainda é, para as crianças que estão começando a descortinar o infinito horizonte da palavra, algo inatingível, meio mágico, talvez mítico.Isso, dito por elas mesmas. A criança é naturalmente curiosa, sedenta de conhecimento e experiência, e ficar cara a cara com...
Na civilização humana, em todos os tempos as gesticulações passaram a simbolizar determinados comportamentos e construir significados diversos para cada sociedade e para cada povo. Gestos humanos servem tanto para simbolizar comportamentos positivos, bem como...
https://www.novoeste.com/uploads/image/artigos_gaudencio-torquato_jornalista-professor-usp-consultor-politico.jpgHoje, tomo a liberdade de fazer uma reflexão sobre a vida. Valho-me, inicialmente, de Sêneca com seu puxão de orelhas: “somos gerados para uma curta existência.  A vida é breve e a arte é longa. Está errado. Não dispomos de pouco tempo, mas desperdiçamos muito. A vida é longa...
A presidenta do Instituto Justiça Fiscal aponta o falso dilema para a escolha eleitoral de 2022 e indica as fontes de custeio para vencer o quadro desolador de fragilidade da maioria do povo brasileiro. A próxima eleição, se ocorrer, certamente exigirá muito de nós. Mas não será uma escolha difícil. Para começar, terceira via não existe! Ou melhor: existe, em Bolsonaro. Este, que pode parecer insano, sádico, intratável, joga o jogo e...
A Constituição Cidadã erigiu a dignidade da pessoa humana como seu fundamento, ao lado da soberania, cidadania, valores sociais do trabalho e da livre iniciativa e o pluralismo político. Trata-se, portanto, de um dos pilares que legitimam o Estado Social e Democrático que fundou....
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK