Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Misria Social/Pobreza > País rico, país sem pobreza
 
País rico, país sem pobreza
18/02/2011 as 21:23 h  Autor administrador  Imprimir Imprimir
No Fórum Social Mundial, em Dakar, Senegal, sua primeira viagem internacional, o ex-presidente Lula falou: "Inexplicavelmente, o combate à fome continua à margem da ação coletiva dos governos. É como se a fome invisível. O mundo não terá êxito no combate à fome se não mudarmos radicalmente os padrões da cooperação internacional. É preciso virar a página dos modelos impostos de fora. Não faz sentido que o FMI e o Banco Mundial imponham reajustes estruturais que inviabilizem as políticas de estímulo à agricultura dos países mais pobres. A partir de 2003, o Brasil resgatou sua soberania política e econômica, afastou-se com determinação do neoliberalismo e adotou um novo projeto de desenvolvimento, que nos permitiu dar um verdadeiro salto histórico, distribuindo renda, conhecimento e poder.

Agora é preciso avançar além do que já fez o governo Lula, o que não será fácil. Sílvio Caccia Bava escreve em ‘Perguntas sem Respostas’ (Le Monde Diplomatique Brasil – fev/2011): "Se tomarmos como referência o Índice de Desenvolvimento Humano de 2010, das Nações Unidas, os dados divulgados recentemente identificam que o IDH do Brasil é de 0,699, o que o coloca no 73º lugar entre 179 países pesquisados, bem abaixo de países como Chile (45º), Argentina (46º), Uruguai (52º), México (56º) e Peru (63º), entre outros.” Há muito a fazer e avançar, portanto.

O presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar (CONSEA), Renato Maluf, "ressalta três tipos de contribuição para a erradicação da extrema pobreza” (Erradicação da extrema Pobreza e Direito à Alimentação, Informe CONSEA). Primeira: "Universalizar as transferências de renda pelo Bolsa Família e seguridade social e também o acesso à educação e saúde, combinadas com políticas específicas para grupos populacionais como povos indígenas e demais povos e comunidades tradicionais, populações rurais do Norte e Nordeste, populações em situação de rua e outras formas de pobreza urbana”. Segunda: "O Brasil carece de uma política de abastecimento com papel ativo do Estado articulando, de forma descentralizada, a ampliação do acesso à alimentação adequada e saudável com a promoção da produção familiar de base agroecológica.” Terceira: "Participação e controle social dos programas e ações públicas que já se alcançou no campo da segurança alimentar e nutricional, assim como em várias outras áreas no Brasil.

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), sob cuja responsabilidade e coordenação está a construção do Programa, junto com mais uma dezena de ministérios, propõe um tripé de ações combinadas: transferência de renda, com aumento do repasse de recursos do Bolsa Família, inclusão produtiva e maior acesso a serviços como educação, saúde, energia elétrica e saneamento básico. Além disso, "o governo não abre mão de abrir portas de saída para quem já é beneficiário do Bolsa Família” (O Globo, 12.12.11).

Estes avanços só acontecerão se houver decisão política do governo federal, já tomada e expressa publicamente, o apoio dos governos estaduais e municipais e intensa participação da sociedade, como aconteceu com o Fome Zero a partir de 2003. A Rede de Educação Cidadã, por exemplo, coordenada pela equipe do TALHER e por uma Comissão da sociedade civil, que até o final de 2010 estava no Gabinete do presidente da República e agora está integrada à Secretaria Geral da Presidência da República, está estabelecendo como sua prioridade o engajamento no "combate à superação da miséria extrema, incorporando as contribuições e críticas dos movimentos sociais e da educação popular.” Reduzir a extrema pobreza significa ir às causas que a originam, discutir qual projeto de desenvolvimento é capaz de produzir inclusão social e melhor distribuição de renda, fazer reformas como a tributária e a agrária e construir um projeto de sociedade capaz de garantir a dignidade de todos e todas.

A presidenta Dilma terminou seu pronunciamento assim: "Sem dúvida, essa (o combate à pobreza) é tarefa para toda uma geração. Mas nós temos determinação para realizar a parte importante que falta, para que a única fome neste país seja a fome de saber, a fome de grandeza, a fome de solidariedade e de igualdade. E para que todos os brasileiros possam fazer da educação a grande ferramenta de construção do seu sonho.”

O Brasil, hoje a oitava economia do mundo e que em poucas décadas deverá ser a quinta, deve e com certeza pode vencer a extrema pobreza nos próximos anos. E proclamar ao mundo que aqui se constrói a igualdade, com distribuição de renda, participação social, democracia e solidariedade. Talvez não seja muito, seguramente não é tudo, mas com certeza é bem mais do que se vê por aí, mundo afora. Um desafio histórico.

Selvino Heck. Assessor Especial da Secretaria Geral da Presidência da República
http://www.adital.com.br/

Comente via Facebook
Mais Artigos
No h comentrios.
img
img
RSS  Artigos Artigos

Embora pensada para se opor à polarização entre direita e esquerda nas eleições presidenciais, a candidatura de terceira via, se ocorrer, favorecerá Lula e atrapalhará Bolsonaro. Por natureza, o eleitorado de esquerda comparece incondicionalmente às urnas e vota no candidato da tendência, mesmo...
Em evento de filiação ao Podemos e com discurso político, Sérgio Moro traz à tona sentimentos e projeções variadas acerca de seus objetivos políticos. Símbolo maior da Operação Lava Jato quando juiz, superministro do Governo Bolsonaro, trabalhador da iniciativa privada nos EUA, enfim, uma trajetória já assaz atribulada nos últimos anos e, agora, uma pré-candidatura, ao que tudo indica para a Presidência, em 2022, mas não...
O partido que desfralda a bandeira da socialdemocracia e adota um tucano como símbolo, o PSDB, está em frangalhos. Quando foi criado em 1988 era a esperança de o país pela trilha de uma nova política, amparada no conceito do Estado comprometido com o bem estar social e aberto aos...
O cipoal de leis que restringe a liberdade individual deve ser censurado. Característica principal dos sistemas socialistas anacrônicos e até mesmos dos híbridos, a hegemonia de leis que restringe a liberdade individual vem contaminando o progresso geral. A liberdade é instrumento de construção e de evolução meteórica mais consistente dentro dos sistemas viáveis de construção da sociedade humana. Os dois caminhos experimentados pelas...
A Caridade é o centro gravitacional da consciência ideológica, portanto, educacional, política, social, filosófica, científica, religiosa, artística, esportiva, doméstica e pública do Cidadão Espiritual. Desse modo, se o ser humano não tiver compreensão dela, deve esforçar-se para entendê-la, a fim de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img



img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ambientado em uma comunidade japonesa de São Paulo, lançamento ficcional da escritora Juliana Marinho promove o poder da música como intervenção para cura de doenças. A musicoterapia, união da arte e saúde em busca da reabilitação ou promoção do bem-estar, é a responsável...
Por meio da personagem Malu, as escritoras e letrólogas paulistas Nanda Mateus e Raphaela Comisso dialogam com as crianças sobre diversidade familiar e desmistificam a homoparentalidade. Nanda Mateus trabalha com educação e inovação em tecnologias para...
Existem músicas para os momentos felizes, tristes e até aquelas que marcam datas especiais, mas para Melody King é diferente: as canções são uma consequência — infelizmente incontrolável — de uma rara doença. As dificuldades em lidar com as embaraçosas situações,...
img
img
RSS  Top Vdeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img
img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK