Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Dicas de Leitura > >
 
Best-seller O chamado do monstro, de Patrick Ness, que inspira o filme Sete minutos depois da meia-noite, volta às livrarias com sobrecapa
03/01/2017 as 18:11 h  Autor Editoria  Imprimir Imprimir
Obra da Ática, lançada em 2011, traz as ilustrações originais de Jim Kay e tradução do escritor Antônio Xerxenesky
 
É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de chegar ao fim. Tudo é tão aterrorizante que Conor não se mostra nem um pouco assombrado quando uma árvore próxima à sua casa – um imponente teixo – transforma-se num monstro.
 
Além disso, ele precisa lidar com coisas mais urgentes e graves: o reinício do tratamento contra o câncer do qual sua mãe terá de se submeter, a vinda da avó para “ajudá-los”, a permanente ausência do pai desde que foi morar com a nova família e o pesado bullying na escola, do qual é vítima quase todos os dias. Tudo muito mais perturbador do que uma criatura feita de folhas e galhos (mesmo que pulsem e se contorçam).
 
Só que o monstro sabe que Conor esconde um segredo. E isso o torna realmente assustador. Por que Conor deveria dar ouvidos ao que parece imaginado? Por que o monstro parece ser a única criatura a estar ao seu lado diante de seus maiores medos: perder a mãe e contar a verdade sobre o que sente.

A narrativa trata de temas universais sem ser artificial ou moralizante. Com texto simples, o autor parece tocar cada leitor individualmente, fazendo da narrativa uma experiência múltipla e única ao mesmo tempo.
 
A ideia central desta história  é da escritora Siobhan Dowd. Morta pelo câncer em 2007, ela não teve, infelizmente, tempo de terminá-la. Então, Patrick Ness recebeu a proposta de desenvolver a trama. Mesmo hesitando no começo, a força da história o cativou. O resultado é uma narrativa comovente e verdadeira, escrita sob uma situação-limite e com uma força inesquecível.
 
O filme, inspirado no livro, estreia nos cinemas em janeiro, e é dirigido por J.A. Bayona, diretor espanhol do terror O Orfanato. O próprio Patrick Ness assina o roteiro. O longa traz Sigourney Weaver e Felicity Jones, além de Liam Neeson, que faz a voz do monstro e narra a força e a imprevisível ferocidade das histórias, responsáveis pelo medo, pela angústia, pela solidão, lembrando que encarar com sinceridade segredos recolhidos dentro do peito é muito mais aterrorizante.
 
Autor

Patrick Ness nasceu na Virginia, Estados Unidos, em 1971, e vive em Londres. Considerado uma das vozes mais talentosas da literatura inglesa contemporânea para jovens adultos, ganhou prêmios como o Guardian Children’s Fiction Prize, Booktrust Teenage Prize e a Carnegie Medal, o mais importante da categoria na Inglaterra.
                                                                                                              
Siobhan Dowd nasceu em Londres, em 1960. Trabalhou por muito tempo com escritores e literatura e escreveu quatro livros, dois dos quais publicados depois de sua precoce morte aos 47 anos. Amada pelos leitores e reconhecida pela crítica, foi a primeira autora a receber, postumamente, a Carnegie Medal, em 2009.
 
Ilustrador

Jim Kay nasceu na Inglaterra e se formou na Universidade de Westminster. Trabalhou por dois anos nos arquivos da galeria Tate, em Londres, e por quatro anos foi curador assistente das coleções de arte do Royal Botanic Gardens, em Kew, Londres. Hoje se dedica predominantemente a ilustrar – e, mais recentemente, a escrever – livros juvenis.
 
Booktrailer
https://www.youtube.com/watch?v=1423HrLfTHs
 
Ficha técnica
O chamado do monstro
Autor: Patrick Ness (ideia original de Siobhan Dowd)
Ilustrador: Jim Kay
Tradutor: Antônio Xerxenesky
ISBN: 97885081147311
Páginas: 216
Formato: 16 x 21 cm
Faixa etária: a partir de 13 anos

Por Tatiana Bandeira
tatiban@gmail.com
Comente via Facebook

Mais Dicas de Leitura
img



img
RSS  Artigos Artigos

No clássico “Raízes do Brasil”, o historiador Sérgio Buarque de Holanda, ao falar do homem cordial como uma marca indestrutível do caráter brasileiro (cordial não quer dizer para ele bondoso, mas retrata principalmente os que agem movidos pela emoção e não pela razão), desdobra-se...
Quando cito em minhas palestras e escritos os educadores, procuro dirigir-me não apenas aos heroicos profissionais dessa vocação, aos que realmente merecem essa deferência, contudo, àqueles que recebem de Deus (todos nós) a missão de encaminhar pela estrada correta...
Um ano depois da posse definitiva – ocorrida a 31 de agosto – o presidente Michel Temer ainda bate cabeça para definir a diretriz do seu governo. A ampliação do rombo das contas públicas, que agora tentará aprovar no Congresso, obriga o governo a tomar dinheiro emprestado do...
Uma nova modalidade de safadeza está acontecendo no mundo político no Brasil, e poucas pessoas estão atentas para isso por causa do forte ingrediente do personalismo na política. São os partidos políticos que para limpar a sujeira de suas roupas velhas, para fazer com que...
As últimas décadas foram repletas de mudanças na sociedade, de uma forma tão intensa, que talvez não tenha ocorrido antes. Nosso mundo globalizado possibilita chegarem rapidamente pensamentos e fatos, de uma parte a outra do mundo, especialmente com o advento das...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
Obra da Ática, lançada em 2011, traz as ilustrações originais de Jim Kay e tradução do escritor Antônio Xerxenesky. É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK