Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Dicas de Leitura > Dicas de Leitura > A ficção responde: o que querem as mulheres?
 
A ficção responde: o que querem as mulheres?
15/04/2015 as 18:34 h  Autor Editoria  Imprimir Imprimir
Livro “Mariposa – asas que mudaram a direção do vento” traz uma história repleta de reflexões sobre os desejos femininos e o papel da mulher na atualidade
 
A ficção é um espaço para o imaginário construir e desconstruir estereótipos, criar heróis, viver aventuras insólitas e experimentar o prazer. Existe um lugar melhor para a mulher exercer a sua liberdade? Se muitas mulheres ainda encontram restrições para se expressarem na vida real, nos livros elas tentam se libertar de quaisquer amarras. Ao fazerem literatura, as escritoras não estariam dizendo o que querem?

Uma análise histórica revela que os homens ocuparam o maior espaço da literatura mundial, construindo inúmeros personagens sob a perspectiva masculina. Por outro lado, não se pode negar que algumas escritoras conseguiram louvável reconhecimento na literatura, como Virgínia Wolff na Inglaterra, Simone de Beauvoir na França e Clarice Lispector no Brasil. Mas o sucesso não foi fácil para estas mulheres, pois elas ousaram escrever sobre uma sociedade que marginalizava a mulher, criando personagens contestadoras.

É neste ponto que surge uma pergunta: o que se pode dizer sobre as personagens criadas pelas próprias mulheres? Podem ser consideradas um reflexo do desejo feminino ou da imagem feminina de seu tempo?

No livro “Mariposa – asas que mudaram a direção do vento”, Patrícia Baikal traz uma heroína forte, independente e apaixonante. Mascarada como os heróis de HQ, ela conduz e protege Nicolas Vaz, um jovem senador que luta contra a corrupção. Se estávamos acostumados a ver heróis salvando mocinhas, neste livro o leitor verá justamente o contrário!

Para Lélia Almeida, mestre em literatura, “Mariposa, a mulher amada, o princípio feminino protetor que cuida de Nicolas Vaz é também o símbolo da transmutação e da mudança.” O título do livro não foi escolhido à toa. Mariposa é a metáfora da mulher do século XXI, a qual valoriza a liberdade, a sua identidade e também os seus valores. Não seria um retrato da figura feminina atual?

Além disso, Patrícia Baikal toma a voz do personagem fictício Nicolas Vaz para narrar, em primeira pessoa, a sua história: uma perspectiva feminina da visão masculina:

Era surpreendente como os lados tão diversos dela podiam se complementar tão perfeitamente, de forma que ela não seria tão encantadora se não fosse tão nociva. Sua face era o que mais me fascinava, porque não saber sua identidade me fazia pensar em quem seria ela, o que estaria fazendo naquela manhã, se teria amigos ou alguém a esperando ansioso como eu, e com tanta avidez.
 
O romance, que se passa num Brasil futurista de 2020, revela também a importância da presença feminina no universo político, ainda pouco conquistado pelas mulheres. Neste livro, os leitores não terão dúvida de que a ficção pode responder sim a esta pergunta: o que querem as mulheres?
 
Sobre a autora:

Patrícia Baikal nasceu em Campo Grande, MS, e com um mês de idade mudou-se para Uberlândia, MG, onde passou a infância e o início da vida adulta. Bacharel em Direito, veio morar em Brasília depois de ser aprovada em um concurso público. Aos treze anos escreveu seu primeiro texto, a peça teatral Esperança Viva, encenada no teatro Rondon Pacheco, em Uberlândia.

Em 2014 criou o blog literário www.palavrasdebandeja.com.br, onde semanalmente apresenta contos inéditos. Alguns deles obtiveram prêmios em concursos literários. Atualmente, faz parte do Grupo de Literatura de Autoria Feminina e do Clube do Livro de Autores Brasilienses.
 
Título: Mariposa: asas que mudaram a direção do vento
Autora: Patrícia Baikal
Editora: Editora Kiron
Páginas: 291
Ano: 2014
Gênero: Ficção
Preço: R$ 48,00
 
Fonte: Lilian Comunica
assessoria@liliancomunica.com.br
redacao1@liliancomunica.com.br
Comente via Facebook

Mais Dicas de Leitura
img



img
RSS  Artigos Artigos

Tivemos, no Amazonas, uma eleição temporã, que procura escolher o novo governador do Estado. De sete candidatos, restaram para concorrer no segundo turno dois ex-governadores – Amazonino Mendes (PDT) e Eduardo Braga (PMDB) – cujos partidos são denunciados por...
A Educação é o fator primordial para o desenvolvimento de uma nação. E com a Educação alcançaremos desenvolvimento em todas as áreas da ciência. Países como Israel, Coréia do Sul, China, Japão, e Índia, são exemplos emblemáticos... Ele investem pesado em ciência e...
A resposta é rápida. "Os políticos". O governo que em sucessivas administrações tem se preocupado mais com o que vão desviar do que ajudar o povo brasileiro. O Brasil é um continente. Não sofre de catástrofes naturais. Não tem tsunami. Não tem terremoto. Não tem vulcão. Não tem...
Seria a política a arte de enganar? De fazer vibrar as emoções dos menos favorecidos em seu sonho de uma vida melhor? Ainda me lembro de que minha dissertação do mestrado em Direito versava sobre a Saúde Pública e a Inclusão Social, dois temas previstos na nossa Constituição de 1988, talvez a mais romântica Constituição de todos os tempos. Hoje, depois de tudo que temos vivenciado e descoberto na política brasileira, sabemos que...
A política atual é um desastre, nossos políticos não aprendem e não se emendam, ou pior: não querem mudar e colocam jogo de interesses partidários e, especialmente, vontades pessoais acima da Nação. Valem-se de propostas, projetos e Medidas Provisórias destinadas a recompor a ...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
Obra da Ática, lançada em 2011, traz as ilustrações originais de Jim Kay e tradução do escritor Antônio Xerxenesky. É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK