Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > JUVENTUDE CRÍTICA > Juventude Crítica > A coisificação e suas implicações nos direitos civis e sociais
 
Professor:
HENRIQUE VIANA
Licenciado em Letras pela UNEB,
Especialista em Estudos Linguísticos:
Leitura e
Produção Textual, pela UNEB,
Professor no Gauss - Centro de Estudos.
img

Depoimentos:

;
img
A coisificação e suas implicações nos direitos civis e sociais
04/05/2017 as 11:20 h  Autor admin  Imprimir Imprimir
Desde o Mercantilismo a partir do século XV até a chegada da Revolução Industrial no final do século XVIII, os indivíduos são coagidos pelo sistema capitalista, o qual defende a valorização da produção. Em consequência disso, a sociedade contemporânea, pós-revolução, é vista como mercado consumidor e alicerce para manter essa ordem geradora da inversão de valo-res, inclusive no país brasileiro. Assim, essa problemática social é fortalecida pela coisificação do ser humano em virtude da humanização das mercadorias pela indústria cultural, somada à morosidade do Estado do Brasil em perceber e reverter os efeitos no âmbito dos direitos civis.

É indubitável como o modelo consumista da contemporaneidade contribui para o crescimento da cultura com valores sociais invertidos. Segundo o sociólogo Émile Durkheim, os fatos soci-ais possuem poder de coerção, generalidade, e exterior aos indivíduos. Nesse contexto, a In-dústria Cultural de Massa intrínseca na brasileiredade é detentora do poder o qual coage a população a valorizar o materialismo por meio do consumo, veiculado pelos meios midiáticos carregados de informações de Fast-food, moda e do comércio automobilístico, capazes de alienar pessoas culturalmente. Dessa maneira, como é um poder universal, torna-se geral no meio social, o que resulta na desvalorização da realidade dos indivíduos e da sua essência humana.

Ademais, é evidente como a coisificação impede a progressão dos direitos civis, por isso no Brasil o empecilho torna-se maior em virtude da falta governamental. De acordo com Karl Marx, o modo acelerado de produção e a valorização do consumo somente trazem malefícios à clas-se trabalhadora, receptora de modos de trabalho subumanos, como forma de manter a coisifi-cação. Em conformidade a isso, depois de 10 anos na luta contra a escravidão no trabalho, em pleno século XXI, o Brasil volta a ter indícios de trabalhadores em ambientes degradantes, pois a produção de mercadorias cresce a cada dia, e empresas como a M. Office foi cassada pelo Ministério Público do Trabalho devido à prática do trabalho escravo em São Paulo.

Entende-se, portanto, que a desvalorização do ser humano é visível na atualidade brasileira, pelo fato do crescimento da coisificação. Para amenizar essa situação, o Estado brasileiro alia-do ao CONAR, Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária, devem proibir o uso exacerbado de propagandas alienantes, e caso persista esse inchaço visual, as emissoras deverão ser punidas, além de as arrecadações serem doadas paras instituições brasileiras de caridade. Por fim, no âmbito civil, o legislativo do país deve generalizar a Lei Bezerra em todo território, criada no estado de São Paulo, com o intuito de vigorar a fiscalização do trabalho escravo, e assim criar abismos para a coisificação do ser humano na hodiernidade.
 


Jéssica Ferraz
Aluna do Gauss - Centro de Estudos


Comente via Facebook

Leia mais
administrador
Barreiras tem mais de 150 mil hab. concordo com a prefeitura, vamos levar adiante!!!!!
17
Ago
img


img
RSS  Artigos Artigos

Quando me perguntam se é possível aplicar na educação brasileira práticas bem-sucedidas de países com melhores resultados educacionais que o Brasil, costumo responder - para surpresa do interlocutor - com uma afirmação e uma negativa. Essa conjunção de ‘sim e não’ é a...
Até o pleito de outubro, os eleitores colocarão uma lupa sobre os candidatos. Farão um controle mais apurado do que em eleições passadas. Primeiro, em função da desconfiança que paira sobre os políticos. Segundo, porque o voto começa a sair do coração para subir à cabeça. O voto...
Na esteira da decretação de intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, vemos o embate de como executar o trabalho. Membros do governo dizem que as Forças Armadas não terão poder de polícia, falam em ação de busca e apreensão monitorada pelo Judiciário e...
Isso é Brasil! Até onde vai a promiscuidade dos nossos governantes?  Será que estão realmente preocupados com a melhoria do ensino de medicina ou com possíveis futuros financiadores de campanhas políticas, em face à realidade nacional?  Pois bem; de olhos gananciosos no alto...
O escritor sergipano Ariosvaldo Figueiredo escreveu certa vez que “moralismo e juridicismo são vertentes ideológicas de uma pequena minoria conservadora”. Frase que nunca esteve tão atual como nos dias em que vivemos, onde quem deveria zelar pela moral e pelos bons...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Como falar às crianças e adolescentes sobre respeito às diferenças? E se essas diferenças forem algo de certa forma muito difícil de explicar? É isso que faz de forma poética e muito alegre o livro Você sabe quem eu sou? Então vou te contar, de Herica B. T. Secali.
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK