Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > JUVENTUDE CRÍTICA > Juventude Crítica > Intolerância
 
Professor:
HENRIQUE VIANA
Licenciado em Letras pela UNEB,
Especialista em Estudos Linguísticos:
Leitura e
Produção Textual, pela UNEB,
Professor no Gauss - Centro de Estudos.
img

Depoimentos:

;
img
Intolerância
25/10/2016 as 11:20 h  Autor admin  Imprimir Imprimir
Ao longo da história da humanidade, evidenciaram-se diversas manifestações de intolerância. Como exemplo, na Idade Média, os tribunais do Santo Ofício perseguiam indivíduos que demonstrassem opiniões contrárias às da Igreja. De modo semelhante, durante a Segunda Guerra Mundial, notou-se repressão ao povo judeu, gays e demais pessoas consideradas por Adolf Hitler como “raça inferior”. Na contemporaneidade, é notória a persistência da intolerância, justificada pela inaplicabilidade das leis que protegem o cidadão e potencializada pelo advento dos recursos tecnológicos.

No Brasil, o período da Ditadura Militar, década de 60, pode ser apontado como marco histórico da intolerância no país. Nessa ocasião, indivíduos que não compartilhavam dos ideais políticos dos militares, chefes do governo, eram violentados, perseguidos e até mesmo exilados. Nesse viés, vale ressaltar que as perseguições motivadas por questões religiosas, identidade de gênero e liberdade política permanecem latentes na sociedade atual. Eventos como o ataque à boate Pulse, em Junho de 2016, e as ações do grupo terrorista Estado Islâmico ratificam essas práticas na atualidade. Dessa forma, fica evidenciado que as legislações criadas para proteger os cidadãos, como a Declaração dos Direitos Humanos, promulgada em 1948, em que são previstos o direito à vida e à liberdade religiosa não são respeitados.

Outro agravante com relação a essa temática é a evolução da tecnologia. A partir dela, notou-se a elevação dos atos de intolerância através das redes sociais, devido ao anonimato proporcionado pela internet. Nesse tipo de mídia eletrônica, o indivíduo pode participar de fóruns criados para proferir insultos sob a garantia de difícil rastreio. Além disso, a rapidez da disseminação dos dados potencializa seu agravo. A exemplo disse tipo de intolerância, tem-se o caso da jornalista Maria Júlia Coutinho, vítima de preconceito racial nas mídias sócias em 2015.

Infere-se, portanto, que a ineficiência das leis juntamente com o advento das tecnologias contribuem para a persistência da intolerância na sociedade atual. Por isso, para reverter essa problemática, cabe ao Poder Executivo em conjunto com o Judiciário fazerem cumprir as leis já existentes como a Lei contra o Bullying, de 2015. Somada a isso, a criação de delegacias em todo o país como a Delegacia de Polícia de Repressão aos Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) existente em São Paulo é fundamental. Por fim, a população deve ser informada sobre os tipos de intolerância por meio da distribuição de cartilhas explicativas semelhantes às da campanha “Quem se dá com gente, se dá bem na vida” do Ministério Público de São Paulo.




Fernanda Rego
Aluna do Gauss - Centro de Estudos
Comente via Facebook

Leia mais
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Quando me perguntam se é possível aplicar na educação brasileira práticas bem-sucedidas de países com melhores resultados educacionais que o Brasil, costumo responder - para surpresa do interlocutor - com uma afirmação e uma negativa. Essa conjunção de ‘sim e não’ é a...
Até o pleito de outubro, os eleitores colocarão uma lupa sobre os candidatos. Farão um controle mais apurado do que em eleições passadas. Primeiro, em função da desconfiança que paira sobre os políticos. Segundo, porque o voto começa a sair do coração para subir à cabeça. O voto...
Na esteira da decretação de intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, vemos o embate de como executar o trabalho. Membros do governo dizem que as Forças Armadas não terão poder de polícia, falam em ação de busca e apreensão monitorada pelo Judiciário e...
Isso é Brasil! Até onde vai a promiscuidade dos nossos governantes?  Será que estão realmente preocupados com a melhoria do ensino de medicina ou com possíveis futuros financiadores de campanhas políticas, em face à realidade nacional?  Pois bem; de olhos gananciosos no alto...
O escritor sergipano Ariosvaldo Figueiredo escreveu certa vez que “moralismo e juridicismo são vertentes ideológicas de uma pequena minoria conservadora”. Frase que nunca esteve tão atual como nos dias em que vivemos, onde quem deveria zelar pela moral e pelos bons...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Como falar às crianças e adolescentes sobre respeito às diferenças? E se essas diferenças forem algo de certa forma muito difícil de explicar? É isso que faz de forma poética e muito alegre o livro Você sabe quem eu sou? Então vou te contar, de Herica B. T. Secali.
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK