Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Notícias Destaque > Desenvolvimento Social > Racismo: é preciso valorizar e respeitar as diferenças
NOTÍCIAS DO DIA... NOTÍCIAS DO DIA...
Racismo: é preciso valorizar e respeitar as diferenças
21/02/2014 as 15:53 h  Autor Editoria  Imprimir Imprimir
Casos de racismo, divulgados recentemente, revelam que apesar de o Brasil ser um país exaltado pelo seu multiculturalismo, muitos de seus cidadãos não abraçam essa diversidade e protagonizam atos de humilhação e preconceito. Só em 2013, a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR) recebeu 425 denúncias de racismo, por meio da ouvidoria. Doze a mais que no ano anterior.

Entre as campanhas existentes na tentativa de dar fim a este mal está a Por uma Infância sem Racismo, lançada pela Unicef em 2010 e ainda com grande repercussão. O foco da ação é combater o racismo na sua origem e, assim,  conscientizar as pessoas para uma cultura de valorização e respeito às diferenças. "Sem isso, continuaremos a negar o racismo, perpetuando dessa forma essa situação injusta e desigual. Entretanto, já observamos que há uma sensibilização para o tema. Tanto que diversas organizações, estados e municípios estão aderindo à campanha, difundindo as 10 dicas e desenvolvendo ações de enfrentamento do problema", explica Alexandre Amorim, especialista de comunicação do UNICEF.

As dez dicas às quais o profissional se refere foram elaboradas pela entidade como um manual para contribuir para uma infância sem racismo (confira nas fotos abaixo). Listar essas atitudes, garante Alexandre, foi um trabalho demorado e muito pensado. “Nós não quisemos polarizar, não queríamos criar algozes e mocinhos”, relata.

A discriminação racial que persiste no cotidiano das crianças brasileiras, se reflete nos números da desigualdade entre negros, indígenas e brancos. Um bebê indígena, por exemplo, tem o dobro de chance de morrer antes do primeiro aniversário do que uma criança branca. Na faixa etária entre 7 e 14 anos, de 1,5% das crianças que estão fora da escola, 1% delas são negras e pardas. É justamente a partir dos indicadores sociais que a campanha do Unicef busca chamar atenção para o impacto do racismo na infância e na adolescência.

Dez maneiras de contribuir para uma infância sem racismo:


(Foto: paparrazza/ Creative Commons )
1. Eduque as crianças para o respeito à diferença. Ela está nos tipos de brinquedos, nas línguas faladas, nos vários costumes entre os amigos e pessoas de diferentes culturas, raças e etnias. As diferenças enriquecem nosso conhecimento.


(Foto: Agência de Notícias do Acre/ Creative Commons)
2. Textos, histórias, olhares, piadas e expressões podem ser estigmatizantes com outras crianças, culturas e tradições. Indigne-se e esteja alerta se isso acontecer – contextualize e sensibilize!


(Foto: Alex E. Proimos/ Creative Commons)
3. Não classifique o outro pela cor da pele; o essencial você ainda não viu. Lembre-se: racismo é crime.


(Foto: Dreamer/ Creative Commons)
4. Se seu filho ou filha foi discriminado, abrace-o, apoie-o. Mostre-lhe que a diferença entre as pessoas é legal e que cada um pode usufruir de seus direitos igualmente. Toda criança tem o direito de crescer sem ser discriminada.


(Foto: Ian D. Keating/ Creative Commons)
5. Não deixe de denunciar. Em todos os casos de discriminação, você deve buscar defesa no conselho tutelar, nas ouvidorias dos serviços públicos, na OAB e nas delegacias de proteção à infância e adolescência. A discriminação é uma violação de direitos.


(Foto: Daiane Souza/ Creative Commons)
6. Proporcione e estimule a convivência de crianças de diferentes raças e etnias nas brincadeiras, nas salas de aula, em casa ou em qualquer outro lugar.


(Foto: Elvert Barnes/ Creative Commons)
7. Valorize e incentive o comportamento respeitoso e sem preconceito em relação à diversidade étnico-racial.


(Foto: Loving Day Project/ Creative Commons)
8. Muitas empresas estão revendo sua política de seleção e de pessoal com base na multiculturalidade e na igualdade racial. Procure saber se o local onde você trabalha participa também dessa agenda. Se não, fale disso com seus colegas e supervisores.


(Foto: Zanini H./ Creative Commons)
9. Órgãos públicos de saúde e de assistência social estão trabalhando com rotinas de atendimento sem discriminação para famílias indígenas e negras. Você pode cobrar essa postura dos serviços de saúde e sociais da sua cidade. Valorize as iniciativas nesse sentido.


(Foto: bahai.us/ Creative Commons)
10. As escolas são grandes espaços de aprendizagem. Em muitas, as crianças e os adolescentes estão aprendendo sobre a história e a cultura dos povos indígenas e da população negra; e como enfrentar o racismo. Ajude a escola de seus filhos a também adotar essa postura.

Do Portal EBC

Comente via Facebook

Mais Notícias
Não há comentários.





img
ENQUETE
Segundo o TCM/BA, Barreiras recebe quase R$ 30 milhões por mês de receita total (própria + transferências). Os gastos mensais com SAÚDE chegam próximos aos R$ 3,5 milhões e com EDUCAÇÃO a R$ 7,5 milhões.

A PERGUNTA É: os serviços de SAÚDE e EDUCAÇÃO deveriam ser mais qualificados?:
- Sim. Comente
- Não. Comente
RSS  Artigos Artigos

A atenção dos brasileiros tem sido canalizada para o embate sobre as denúncias contra o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, agora formalmente processado por envolvimento na corrupção da Petrobras. Desde a eclosão do mensalão, em 2005, o ex-metalúrgico feito líder político e...
Mais uma vez acordo com o barulho de gavetas se abrindo e fechando ou de um cabide caindo no chão, abro os olhos e te vejo cavalgando a mala na tentativa de fecha-la, então me lembro que o motivo disso tudo é mais um compromisso, compromisso esse que mais uma vez vai te tirar...
Dias antes da festa do seu aniversário, a Avó foi até sua casa e entregou uma carta: “Menina, tome aqui o enigma desse ano.” Sua Avó, antes do aniversário de cada neto, sempre fazia isso: ia até à casa do aniversariante e entregava uma carta. Dentro, um enigma que tinha de ser...
Dizer que teríamos o mundo na palma da mão, há uns 20 anos, parecia exagero. Porém, pesquisas feitas na última década mostram que é cada vez maior a tendência de se estar conectado a qualquer hora, tempo e lugar. Estamos diante de uma geração conectada, que tem o smartphone como...
Nem na ditadura, a caricatura da opressão se mostrara tão ridícula quanto a teatral apresentação da denúncia contra o ex-presidente Lula pelo procurador Deltan Dallagnol, na coletiva de imprensa magnanimamente preparada, com uma linguagem inapropriada, pois exerceu...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img


img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img







As mulheres estão conquistando cada vez mais espaço, como, por exemplo, na política, na economia, nos esportes e, principalmente, na literatura. As talentosas Cora Coralina, Clarisse Lispector, Adélia Prado, Rachel de Queiroz, entre tantas outras, ficariam orgulhosas com a nova safra de escritoras que...
Com o intuito de explicar a maravilhosa criação do corpo humano em forma de poesia, Alexandre Guarnieri brinca com as palavras para descrever a criação e a evolução dos seres por meio da biologia. Reeditado pela Penalux, o livro “Corpo de Festim”, vencedor do prêmio Jabuti 2015, tem como...
Aclamado pela crítica e público norteamericano — e reconhecido como “uma mistura de Game of Thrones com Romeu e Julieta para adolescentes” —, A maldição do vencedor, da escritora Marie Rutkoski, chega às livrarias brasileiras em junho de 2016, inaugurando o selo da V&R Editoras para o público jovem: Plataforma 21. Muito aguardado pelos leitores brasileiros...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img