Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Notícias Destaque > Violência Urbana > Coordenador da Unicef pede políticas integradas contra mortes de adolescentes
 
NOTÍCIAS DO DIA... NOTÍCIAS DO DIA...
Coordenador da Unicef pede políticas integradas contra mortes de adolescentes
14/11/2017 as 09:05 h  Autor Editoria  Imprimir Imprimir
O combate ao crescimento do número de homicídios de crianças e adolescentes na Região Nordeste, que teve um salto em 2017, passa, na avaliação do coordenador do escritório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) em Fortaleza, Rui Aguiar, pela discussão e implementação de um novo pacto federativo, que tenha como prioridade a proteção social e não apenas a segurança pública.

Ao comentar as conclusões do relatório Cada Vida Importa, que, entre outros pontos, constatou que, nos sete primeiros meses do ano, a cada 24 horas, um adolescente com idade entre 10 e 19 anos foi assassinado em Fortaleza, Aguiar ressaltou a necessidade de que as políticas públicas sejam integradas e compartilhadas entre os governos federal, estaduais e municipais.

Além da política de segurança, o represente do Unicef afirmou ser necessário ampliar a política de proteção social. “Esse é um fenômeno de hoje, mas está muito relacionado a consequência de políticas públicas que não foram adotadas no tempo certo. E algumas dessas políticas continuam não sendo adotadas hoje e as condições e vulnerabilidade continuam sendo criadas”, disse à Agência Brasil.

Segundo ele, pesquisa feita sobre o perfil dos adolescentes mortos em 2015, constatou que eles eram, principalmente, filhos de mulheres jovens, que engravidaram na adolescência. “Veja que ele é vítima de homicídio hoje, mas a mãe e a própria comunidade sofreram a ausência de outras políticas pública lá atrás. A mãe abandonou a escola ou não tinha disponibilidade de creche. Alguns serviços faltaram há 12, 13 anos”, observou.

De acordo com o representante da Unicef, a pesquisa identificou ainda que os adolescentes mortos violentamente haviam abandonado a escola há mais de seis meses, não tiveram oportunidade de renda e de emprego a partir dos 14 anos e sofreram ameaças que não foram notificadas ou não foram investigadas. Além disso, a causa da morte não foi devidamente apurada.

O relatório, elaborado pelo Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência, da Assembleia Legislativa do estado, mostra que a maioria das mortes segue um padrão: jovens do sexo masculino, negros e moradores das áreas periféricas da cidade.

“De certa maneira, é preciso rever o pacto federativo que existe em torno da política de proteção social e de segurança pública. Isso passa por financiamento, cooperação técnica, atividade conjunta, sistema de monitoramento, capacidade de planejamento e técnico. Uma série de assuntos que deveriam ser objeto de um novo pacto federativo na área da proteção social e da segurança pública”.

Nordeste

Rui Aguiar afirmou à Agência Brasil que, apesar de o relatório da assembleia cearense se restringir à realidade do estado e da capital Fortaleza, o crescimento do número de homicídios de forma geral e de crianças e adolescentes é uma realidade de toda a Região Nordeste.

“Esse é um quadro que, embora Fortaleza seja uma das cidades mais afetadas, não é exclusividade dela. Nos últimos anos, têm ocorrido um fenômeno de nordestinação da violência, com crescimento do número de homicídios em geral e, particularmente, de homicídios na adolescência. Temos que reconhecer que o problema em Fortaleza é bastante grave, mas que não é exclusivo da cidade, e que hoje é um fenômeno em outras capitais da região”, afirmou.

Além do conflito entre facções criminosas, que tem migrado da Região Sudeste para a Nordeste, Aguiar atribuiu o crescimento das mortes violentas ao um quadro de vulnerabilidade social das periferias das capitais nordestinas. “São áreas em que a condição de vida produz uma imensa vulnerabilidade. Além do perfil que já conhecemos [das vítimas], temos que destacar o de desigualdade social”.

Da Agência Brasil

Comente via Facebook

Mais Notícias
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Simão Cireneu encontrava se bem distante de Cirene, sua cidade natal situada no norte da África, atual Líbia, por ocasião da crucificação de Jesus. Simão se dirigira a Jerusalém, naqueles dias, para participar das festas de Páscoa, e encontrava-se ali para cumprir um ritual religioso....
A agenda da reforma trabalhista e sindical está pautada na sociedade brasileira há algum tempo, em função de vários motivos, como as mudanças na base produtiva e na divisão internacional do trabalho, a expansão do setor de serviços e a disseminação de novas tecnologias e do...
O sentimento de amizade verdadeira, firmada na labuta diária, é fator significativo no fortalecimento das relações, para a superação dos dissabores, não somente no âmbito familiar, também no coletivo. No Apocalipse de Jesus, 1:9, João Evangelista revela — por causa da palavra de Deus e...
O Brasil vive delicado momento. Não se trata apenas de crise política ou econômica, o que preocupa é a crise de firmeza de decisão, de rumos para o país. Talvez fosse este o momento de firmar posições, abandonar dogmas superados e adotar o modernismo administrativo. Fundamentado...
A intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro parece medida tardia, se analisada a partir do estado de guerra vivido pelos cariocas já há um bom tempo. E a criação do Ministério da Segurança Pública pode ser a medida adicional para a retomada do controle naquela e nas...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Como falar às crianças e adolescentes sobre respeito às diferenças? E se essas diferenças forem algo de certa forma muito difícil de explicar? É isso que faz de forma poética e muito alegre o livro Você sabe quem eu sou? Então vou te contar, de Herica B. T. Secali.
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK