Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Notícias Destaque > Governo Federal > BNDES prepara planejamento estratégico histórico
 
NOTÍCIAS DO DIA... NOTÍCIAS DO DIA...
BNDES prepara planejamento estratégico histórico
12/08/2017 as 09:35 h  Autor Editoria  Imprimir Imprimir
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) vai entrar em um processo de replanejamento, que prevê uma atuação mais forte junto a pequenas e médias empresas. A mensagem foi dada pelos novos diretores do banco, Carlos da Costa e Carlos Thadeu de Freitas, que assumiram ontem (11), respectivamente, a Área de Planejamento e Pesquisa e as áreas de Crédito, Financeira e Internacional. Eles adiantaram também que não está descartada a concessão de novos financiamentos à Petrobras, por seu impacto social de geração de empregos e por sua rentabilidade.

Carlos da Costa disse, durante a cerimônia de posse, que assume com o compromisso de reinventar a instituição, “no maior planejamento estratégico da história do banco”. Isso, segundo ele, será feito em diálogo com a sociedade, que estimule a inovação, a interiorização do país, apoiando projetos que não despertam o apetite dos bancos comerciais e visando o desenvolvimento do país. “No contexto internacional [de grandes transformações], o BNDES tem um papel fundamental de ser protagonista no desenvolvimento do Brasil”. Costa pretende levar para o banco sua experiência no mercado privado.

Esse planejamento tem dois horizontes: de médio prazo, até 2023, e de longo prazo, até 2030. A ideia, destacou Costa, é tornar o BNDES um banco de desenvolvimento moderno, “que tenha um papel de corrigir as falhas do mercado, que tem como papel integrar diferentes visões empresariais, políticas, sociais, para um país pujante, integrado globalmente, um país competitivo e produtivo”. Para efetuar esse trabalho, foram contratadas consultorias internacionais que participaram do replanejamento de bancos estrangeiros, como o KFW, da Alemanha. Esses apoiadores trarão para o BNDES suas experiências, mas não determinarão o que deve ser feito, ressaltou Carlos da Costa.

Já o superintendente da Área de Planejamento e Pesquisa, Fabio Giambiagi, observou que o banco está diante do seu maior desafio nos últimos 40 anos, depois de superar períodos de inflação alta e de juros elevados. Agora, o desafio, disse Giambiagi, é continuar a usar a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), praticada em suas operações, da ordem de 7% ao ano, ou adotar a Taxa de Longo Prazo (TLP), que se acha em discussão no momento. Caso a TLP não seja aprovada, “teremos a (taxa básica de juros) Selic muito próxima da TJLP e uma situação concorrencial muito nova para o BNDES como organização”.

Segundo o superintendente, alguns clientes históricos tradicionais não continuarão indo ao banco em busca de crédito, ou indo pouco, o que exigirá redefinir o papel da organização. Em qualquer cenário, seja continuando com a TJLP ou com a nova TLP, Giambiagi assegurou que será um desafio para o BNDES, que precisará dar respostas adequadas. O superintendente estima que a TLP para os primeiros três anos, descontada a inflação, poderá ter uma referência real para o mercado de 3%, mais baixa que a taxa das notas do Tesouro Nacional Série B (NTN- B) , de cerca de 5%.

Captações

O economista Carlos Thadeu de Freitas, novo diretor das áreas de Crédito, Financeira e Internacional do BNDES, confirmou que é ideia da instituição fazer novas captações externas, como manifestou esta semana, no Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex), o presidente da instituição, Paulo Rabello de Castro. Freitas lembrou que desde 1970, o banco faz emissões de bônus no mercado internacional. “Ficar ausente do mercado durante muito tempo não é bom, porque você perde o seu rating (avaliação de risco). Mesmo que não precise tomar, é bom estar presente para verificar o risco que está tendo hoje no mercado de capitais internacional”. De acordo com o novo diretor, o BNDES vai esperar a oportunidade certa para retornar ao mercado exterior. Considerou conveniente “pavimentar o mercado” para captar mais adiante.

Petrobras

Indagado sobre a possibilidade de o banco vir a conceder novos financiamentos para a Petrobras, que já superou a situação de impedimento no banco, Freitas considerou a empresa um excelente risco. “Qualquer banco gostaria de emprestar para a Petrobras, porque paga, sem maiores problemas”. Na década de 1990, a Petrobras não tinha caixa, mas conseguiu se recuperar tomando recursos no mercado internacional. A situação de concentração de risco da empresa já foi ultrapassada no BNDES.

Embora a ideia não seja concentrar atenção em grandes companhias, Thadeu de Freitas ressaltou que “Petrobras é diferente”. Acrescentou que embora as normas financeiras internacionais sejam importantes e devam ser consideradas, “risco com a Petrobras não pode ser comparado com um risco qualquer”.

Desembolsos

O diretor de Planejamento, Carlos da Costa, disse que todo o mercado de crédito brasileiro passou, nos últimos meses, por um período de retração da demanda. O mesmo ocorreu no BNDES, cujos desembolsos para financiamento caíram. Cabe ao BNDES apoiar os empresários para encontrarem alternativas de investimento com as linhas de crédito do banco “e outras”, que promovam o desenvolvimento do Brasil, afirmou.

Costa acredita no aumento da demanda dessas linhas nos próximos meses. “Já vemos, por vários indicadores, que a recessão passou”. O banco, afiançou, não pode ter uma postura passiva. Tem responsabilidade de apoiar as empresas brasileiras para que elas encontrem oportunidades de crescimento e desenvolvimento. Os desembolsos vão depender muito das expectativas das empresas nos próximos meses.

barato. Já o BNDES tem uma política de juros mais “discreta”. É preciso, segundo o diretor, que o BNDES comece a gerar mais competitividade na fixação das taxas que cobra. Avaliou que a retração da demanda tem a ver também com o crédito concedido pelo banco que é de mais médio e longo prazo.

Da Agência Brasil

Comente via Facebook

Mais Notícias
Não há comentários.
img



img
RSS  Artigos Artigos

No clássico “Raízes do Brasil”, o historiador Sérgio Buarque de Holanda, ao falar do homem cordial como uma marca indestrutível do caráter brasileiro (cordial não quer dizer para ele bondoso, mas retrata principalmente os que agem movidos pela emoção e não pela razão), desdobra-se...
Quando cito em minhas palestras e escritos os educadores, procuro dirigir-me não apenas aos heroicos profissionais dessa vocação, aos que realmente merecem essa deferência, contudo, àqueles que recebem de Deus (todos nós) a missão de encaminhar pela estrada correta...
Um ano depois da posse definitiva – ocorrida a 31 de agosto – o presidente Michel Temer ainda bate cabeça para definir a diretriz do seu governo. A ampliação do rombo das contas públicas, que agora tentará aprovar no Congresso, obriga o governo a tomar dinheiro emprestado do...
Uma nova modalidade de safadeza está acontecendo no mundo político no Brasil, e poucas pessoas estão atentas para isso por causa do forte ingrediente do personalismo na política. São os partidos políticos que para limpar a sujeira de suas roupas velhas, para fazer com que...
As últimas décadas foram repletas de mudanças na sociedade, de uma forma tão intensa, que talvez não tenha ocorrido antes. Nosso mundo globalizado possibilita chegarem rapidamente pensamentos e fatos, de uma parte a outra do mundo, especialmente com o advento das...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
Obra da Ática, lançada em 2011, traz as ilustrações originais de Jim Kay e tradução do escritor Antônio Xerxenesky. É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK