Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Conversa com a Presidenta > 2014 > 26/03 - Coluna semanal da Presidenta Dilma Rousseff
 




26/03 - Coluna semanal da Presidenta Dilma Rousseff
04/04/2014 as 10:05 h  Autor Sec. de Imprensa da Presidência da República  Imprimir Imprimir
Presidenta, seu governo concluiu o chamado “Eixão das Águas” no Ceará. Qual a importância desta obra para a população da região Nordeste e em especial para o Ceará?

Presidenta Dilma - O Eixão das Águas é a maior obra de infraestrutura hídrica do Ceará, que garantirá o abastecimento da região e, em especial, da área metropolitana de Fortaleza. O Eixão é composto por adutoras, estações elevatórias, reservatórios, aquedutos e canais com extensão total de 256 km. A água é captada no Açude Castanhão, abastecido pelo rio Jaguaribe. Do Castanhão, a água segue até Fortaleza, atendendo, em seu trajeto, diversos municípios como Alto Santo, Aquiraz, Eusébio, Guaiúba, Pindoretama, Jaguaribara, Morada Nova, Ibicuitinga, Russas, Limoeiro do Norte, Ocara, Cascavel, Chorozinho, Pacajus, Horizonte, Itaitinga, Pacatuba, Maranguape, Maracanaú, Caucaia, São Gonçalo do Amarante, além de Fortaleza, do Distrito Industrial de Maracanaú e do Complexo Industrial e Portuário do Pecém.

A segurança hídrica é fundamental não só para a vida das pessoas, mas também para toda a atividade econômica da região, incluindo a produção agrícola e a industrial. Para que se tenha uma ideia da importância do Eixão das Águas, um dos seus impactos sobre o desenvolvimento da região será o surgimento de um polo de desenvolvimento hidroagrícola nas áreas de tabuleiro da Bacia do Rio Jaguaribe, promovendo o atendimento a muitos projetos de irrigação.

A água garantida pelo Eixão será, nos próximos 30 anos, plenamente suficiente para atender a região metropolitana de Fortaleza, que possui 4,2 milhões de habitantes, concentrando a maior população urbana do estado. Construído em parceria com o governo do Ceará, envolveu um investimento de cerca de R$ 1,5 bilhão, com o estado participando com R$ 352 milhões, a União com R$ 648 milhões e o restante financiado pelo BNDES e pelo BIRD.
Além das obras para aumentar a capacidade de convivência com o semiárido, que estão sendo feitas em todo o Nordeste, adotamos também uma série de medidas emergenciais para enfrentar a atual seca. Construímos cisternas, assegurando, para milhares de famílias, condições de armazenamento de água para além dessa seca.  Criamos o Bolsa Estiagem e o Garantia Safra, para apoiar os agricultores que perderam sua safra com a seca. Estes mecanismos, juntamente com o Bolsa Família, são responsáveis por não ter havido durante esta seca, saques em supermercados, lojas ou feiras, como ocorria no passado. Precisamos aprender a conviver com a seca, assim como acontece, por exemplo, com as populações que convivem com o rigoroso inverno no norte do planeta. É o que estamos fazendo com essas obras que garantem a segurança hídrica do Estado. Foi por isso também que lançamos, no ano passado, o Plano Safra semiárido, para apoiar medidas que promovam a adoção de cultivos e a criação de animais mais adaptados às condições hídricas do semiárido e a adoção de sistemas produtivos com reservas de água.

Além, do Eixão das Águas, também demos início ao projeto do Cinturão das Águas em nova parceira com o governo cearense. Trata-se de uma obra semelhante ao Eixão, que vai carrear água da Barragem do Jati, na área de transposição do Rio São Francisco. Na primeira etapa desta obra, que já foi iniciada, toda a população da região do Cariri será atendida e nas etapas seguintes, chegará a Fortaleza, fechando um anel com o Eixão. É mais uma obra estruturante que completa a segurança hídrica do estado, garantindo qualidade de vida aos cearenses.
Obras como o Eixão das Águas são determinantes para mudar as condições de convivência da população com a estiagem. São investimentos que fazemos em parceria com os estados e municípios, e que já estão mudando o padrão de oferta hídrica da região, fundamental para o desenvolvimento produtivo e social do semiárido brasileiro.

(*) Esta pergunta, que precede a Mensagem, foi formulada pela Secretaria de Imprensa para melhor entendimento do conteúdo.
Não há comentários.
img



img
RSS  Artigos Artigos

No clássico “Raízes do Brasil”, o historiador Sérgio Buarque de Holanda, ao falar do homem cordial como uma marca indestrutível do caráter brasileiro (cordial não quer dizer para ele bondoso, mas retrata principalmente os que agem movidos pela emoção e não pela razão), desdobra-se...
Quando cito em minhas palestras e escritos os educadores, procuro dirigir-me não apenas aos heroicos profissionais dessa vocação, aos que realmente merecem essa deferência, contudo, àqueles que recebem de Deus (todos nós) a missão de encaminhar pela estrada correta...
Um ano depois da posse definitiva – ocorrida a 31 de agosto – o presidente Michel Temer ainda bate cabeça para definir a diretriz do seu governo. A ampliação do rombo das contas públicas, que agora tentará aprovar no Congresso, obriga o governo a tomar dinheiro emprestado do...
Uma nova modalidade de safadeza está acontecendo no mundo político no Brasil, e poucas pessoas estão atentas para isso por causa do forte ingrediente do personalismo na política. São os partidos políticos que para limpar a sujeira de suas roupas velhas, para fazer com que...
As últimas décadas foram repletas de mudanças na sociedade, de uma forma tão intensa, que talvez não tenha ocorrido antes. Nosso mundo globalizado possibilita chegarem rapidamente pensamentos e fatos, de uma parte a outra do mundo, especialmente com o advento das...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
Obra da Ática, lançada em 2011, traz as ilustrações originais de Jim Kay e tradução do escritor Antônio Xerxenesky. É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK