Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A febre amarela e a (falta de) informação
 
A febre amarela e a (falta de) informação
02/02/2018 as 10:59 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
A febre amarela, moléstia tão antiga, é o novo fantasma a preocupar os brasileiros. Erradicado na área urbana em 1942, o mal sempre existiu no meio rural e, segundo números oficiais, todos os anos morrem pelo menos 50 pessoas acometidas. Agora, o seu surgimento no entorno de São Paulo, Belo Horizonte e outras áreas densamente habitadas, mobiliza as autoridades sanitárias e preocupa a população quanto a uma possível pandemia. Justificou, inclusive, a corrida e a invasão em postos de vacinação. De outro lado, pontuam nas redes sociais e até nos meios tradicionais de comunicação informes que colocam em dúvida a vacina e a conveniência de tomá-la. Fala-se que, em certos casos, o imunizante, em vez de proteger o paciente, pode levá-lo à morte.

Temos visto, nas ultimas semanas, autoridades de saúde das três esferas de poder – federal, estadual e municipal – divergirem sobre a necessidade de vacinação e até quanto à eficiência da vacina. A contenda sugere que, dependendo das variáveis, alguém pode morrer porque não tomou a vacina ou, ao contrário, morrer porque foi vacinado. Trata-se de uma equação alarmista que as autoridades da área têm o dever de resolver para bem orientar a população, que poderá marchar para o pânico sem saber o como agir para preservar a vida.

Considerando a necessidade de vacinar grande número de pessoas – São Paulo, por exemplo, quer imunizar toda a população do Estado – adotou-se a vacina fracionada, um procedimento que já deu certo na África. Em vez de receber a dose inteira, destinada a protegê-lo pelo resto da vida, o vacinado ficará imune por nove anos e no futuro receberá uma dose de reforço. A fração é um décimo da dose tradicional e, para medi-la foi criada uma seringa especial, que não recolhe mais líquido do que o estabelecido para a fração.

Fala-se que quem não vai às regiões de risco não precisa se vacinar. Mas, de outro lado, autoridades armam esquemas para vacinar toda a população. Especialistas e não especialistas produzem materiais para as redes sociais alertando para riscos e problemas inerentes à vacina que, segundo dizem, não tem a mesma qualidade e os baixos riscos das da poliomielite e da gripe, já conhecidas da população.

O Ministério da Saúde, as secretarias estaduais e as municipais da área precisam  orientar devidamente a população e não permitir que informações isoladas e muitas vezes de fontes apócrifas e descontextualizadas disseminem o pânico. O povo tem o direito de saber o que realmente ocorre para, com essa informação, ir ou não ir ao posto de vacinação. A orientação, dever de Estado, é fundamental...
 



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
- dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

A festa do Carnaval sempre esteve associada, desde os mais remotos tempos, a uma manifestação de  desabafo e de esperança. Associada, no hemisfério norte, ao fim do inverno, início da primavera, tempo de semeadura, um trabalho danado, um sofrimento daqueles e então tinha a festa...
Na Boa Nova de Jesus, aprendemos com o Preceptor Celestial que é imprescindível “amar-nos uns aos outros como Ele nos tem amado” (Evangelho, segundo João, 13:34). E mais: passamos a definir qualquer situação, de modo que a necessidade do ensinamento do Senhor quanto...
Vivemos o Carnaval com a grande dúvida sobre a aprovação ou não da reforma da Previdência Social, cuja votação era prevista para o dia 19 e agora é esperada para ocorrer no dia 28. Os contrários dizem que o governo não conseguirá reunir 308 deputados favoráveis que necessita...
O melhor caminho para descobrir onde estamos e para onde vamos é dedicar um tempinho a analisar o espírito do tempo: situações que levam as pessoas a avaliar sua condição, movimentos que enchem as ruas, frustrações geradas por expectativas que não ocorrem, circunstâncias que...
A corrupção é um dos piores flagelos da sociedade contemporânea. No Brasil tornou-se um mal terrível. O uso indevido dos recursos públicos e a ineficácia da justiça são facetas da triste realidade. A preservação da corrupção está muito relacionada com a poderosa indústria de...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK