Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Golpe no Brasil foi tramado nos EUA para toda a América Latina
 
Golpe no Brasil foi tramado nos EUA para toda a América Latina
05/01/2018 as 18:23 h  Autor Ribamar Fonseca  Imprimir Imprimir
A ação da Justiça destinada a eliminar Lula da vida pública, impedindo-o de voltar à Presidência da República, não é um ato isolado, instrumentalizado pelo juiz Sergio Moro, mas parte de um plano muito mais amplo, concebido nos gabinetes do Departamento de Justiça norte-americano, abrangendo toda a América Latina e cujos sinais são vistos, além do Brasil, na Argentina, no Chile, no Peru e na Venezuela.

A eleição de Macri, na Argentina, e de Piñera, no Chile, parte desse plano, revela claramente a onda direitista que assola a América do Sul e teve o seu ponto alto no golpe que destituiu a presidenta Dilma Roussef, mas prossegue com as tentativas para derrubar Maduro, na Venezuela, e o movimento no Peru para votar o impeachment do seu presidente, Pedro Pabllo Kuczynski. O golpe do Brasil, no entanto, ainda não foi concluído, o que só se dará quando o ex-presidente operário for considerado inelegível e ficar de fora das eleições presidenciais deste ano, pois esse é o objetivo para o qual foi minuciosamente planejado após as eleições de 2014.

O golpe, na verdade, foi o plano B dos seus promotores, pois eles imaginavam vencer aquele pleito com Aécio Neves, o plano A que os eleitores brasileiros frustraram. O mesmo aconteceria na Argentina se Macri não tivesse sido eleito, ou seja, lá, em terras portenhas, o plano A deu certo, mas já enfrenta grandes problemas de sustentação. Aqui no Brasil a derrubada de Dilma era fundamental para chegar-se ao alvo principal, Lula, mas desta vez não havia clima para um golpe militar, o que levou os seus responsáveis a procurar emprestar uma cara de legalidade ao movimento golpista, usando o impeachment, previsto na Constituição, com a cumplicidade do vice-presidente , do PMDB, do PSDB, de parte do Legislativo e do Judiciário, além de empresários e da mídia. Todos estavam conscientes da inexistência de crime de responsabilidade que justificasse o afastamento da Presidenta, mas todos deram a sua contribuição para oferecer um verniz de legalidade à conspiração, de modo a convencer o resto do mundo, em especial os países que mantém relações diplomáticas com o Brasil, sobre um suposto acerto da decisão.

A espionagem da presidenta Dilma Roussef e da Petrobrás, pela Agência de Segurança dos Estados Unidos, cuja descoberta provocou ligeiro estremecimento nas relações com os americanos, foi de vital importância para a montagem do plano de assalto ao Palácio do Planalto. Não foi por acaso, portanto, que a Petrobrás foi o ponto de partida para as investigações que já estavam programadas para chegar de qualquer maneira até Lula. Não houve acaso, também, na escolha do juiz Sergio Moro para comandar a Operação Lava-Jato, considerando suas ligações com os responsáveis naquele país pelo planejamento do golpe. Ele viaja com frequência a Washington para, oficialmente, proferir palestras, mas na verdade sua finalidade seria receber instruções, conforme suspeitam observadores. A escolha de Pedro Parente para presidir a empresa estatal, por indicação dos tucanos, igualmente não foi casual. Ele é tido como um dos brasileiros integrantes da equipe de governo de FHC que só nasceram no Brasil, mas escolheram os Estados Unidos como sua pátria de coração. E vem cumprindo fielmente a missão para a qual foi colocado na Petrobrás: entregar nosso petróleo para as empresas estrangeiras e promover a privatização da empresa petrolífera nacional, dando sequência à quebra do monopólio do Petróleo, realizada por FHC, e a abertura do pré-sal para o capital internacional, projeto de outro tucano, o senador José Serra.

O pré-sal, na realidade, foi um dos motivos do golpe, diante do interesse americano em abocanha-lo, pois a principal causa mesmo foi a aproximação do Brasil, promovida por Lula, com a Russia e a China. A criação do BRICS foi a gota dágua que disparou o gatilho para a execução do plano, gerado nas terras do Tio Sam, que destituiu Dilma e pretende impedir Lula de voltar ao Palácio do Planalto. Os americanos ficaram preocupados com o afastamento do Brasil da sua esfera de influência e sua consequente aproximação com os seus principais rivais, pois isso fatalmente levaria os demais países da América do Sul a trilharem o mesmo caminho. Então, elaboraram um plano que incluísse, além do Brasil, também todo o continente americano, de modo a reconduzir as nações deste continente de volta ao seu aprisco. Conseguiram chegar ao poder através de eleições na Argentina e no Chile, com Macri e Piñera, respectivamente, mas não obtiveram êxito na Venezuela, onde partiram para o golpe armado, frustrado pela mão firme de Nicolas Maduro. Não vai demorar muito, porém, para que consigam derrubar o presidente do Peru, utilizando o mesmo método empregado no Brasil, o que só ainda não aconteceu porque Kuczynski fez um acordo com Fujimori, obtendo maioria no Parlamento.

A participação dos Estados Unidos no golpe do Brasil e na perseguição a Lula foi confirmada pelo subprocurador geral daquele país, Kenneth A. Blanco, que dirigia a Divisão Penal do Departamento de Justiça, durante palestra em julho passado, sobre o tema "Lições do Brasil: Crise, corrupção e cooperação global", realizado em evento denominado Diálogo Interamericano. Na oportunidade, ele deu as boas vindas a seu amigo Rodrigo Janot, ex-Procurador Geral da República do Brasil e um dos seus principais colaboradores. A informação foi publicada pelo jornal "El Clarin", do Chile, acrescentando que Blanco se felicitou pelos "resultados extraordinários" alcançados graças à colaboração do Departamento de Justiça com a operação Lava-Jato. "A cooperação entre o Departamento de Justiça e o Ministério Público brasileiro – disse Blanco – levou a resultados extraordinários. Só em 2016, por exemplo, o FBI e a Lava-Jato estiveram cooperando e se coordenaram nas resoluções de quatro casos ligados à Embraer, Rolls Royce, Braskem e Odebrecht."

Em sua palestra Kenneth A. Blanco afirmou, também, que "é difícil imaginar, na história recente, uma melhor relação de cooperação do que esta entre o Departamento de Justiça dos Estados Unidos e os procuradores brasileiros. Esta cooperação nos ajudou de forma substancial com uma série de temas públicos que agora estão resolvidos e continuamos juntos em uma série de investigações". E acrescentou, em tom de comemoração, que "os procuradores brasileiros conseguiram um veredito condenatório contra o ex-presidente Lula da Silva, acusado de receber subornos da empreiteira OAS em troca de contratos com a Petrobrás". A agenda norte-americana continua sendo cumprida com a anunciada venda da Embraer para a Boeing, a entrega da base espacial de Alcântara e a transformação de nossas Forças Armadas em polícia, um velho projeto do Tio Sam para deixar a segurança do continente com o seu exército. Os traidores da Pátria, entre eles Temer, FHC, Serra, Parente e Moro, estão concluindo, como marionetes manipulados de Washington, a tarefa iniciada no governo tucano: a entrega do Brasil aos Estados Unidos. Será que ainda existe alguma dúvida sobre a participação dos norte-americanos no golpe que derrubou Dilma Roussef, colocou Michel Temer no poder e quer impedir Lula de voltar ao Palácio do Planalto?




Ribamar Fonseca, jornalista e escritor

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Quando olhamos para o atual cenário político do Brasil, entre acusações e negações, malas de dinheiro, e os mais variados problemas hoje enfrentados, logo vem à cabeça de céticos e críticos do sistema, que veem a política como arte da dissimulação: “A política é uma...
Combinado, meu bem, vou lhe fazer uma pergunta. Se você acertar, eu compro seu ingresso para o show do Wesley Safadão. Lá vai: quem disse a frase “Quem sou eu para dar palpite sobre decisão judicial?” Eu digo a resposta correta lá no final, tá? Claro que...
Montesquieu, em seus pensamentos, ensinava: “Quando vou a um país, não examino se há boas leis, mas se são executadas as que há, pois existem boas leis por toda a parte”. E Sólon, o filósofo grego, ao ser perguntado se outorgara aos atenienses as melhores, saiu-se com esta resposta: “dei-lhes as melhores leis que eles podiam aguentar”. As duas pequenas lições calham bem no momento vivido pelo país. Primeiro, por refletir o estado...
Este ano teremos eleições para presidente e governadores. Todos, sem nenhuma exceção, farão duas promessas: reduzir a pobreza e reduzir o desemprego. Esses são os dois maiores flagelos sociais brasileiros. Ainda que todos digam as mesmas coisas e façam as...
O presidente Michel Temer afastou quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa Econômica Federal, investigados por irregularidades apuradas pela Operação Greenfield, do Ministério Público Federal. O Conselho da instituição se prepara para assumir a tarefa de nomear e demitir esses...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK