Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Correntina e a autodefesa popular
 
Correntina e a autodefesa popular
29/11/2017 as 19:14 h  Autor Frei Betto  Imprimir Imprimir
O preconceito suscita emoção e a emoção conduz à precipitação e, por vezes, a juízos injustos e descabidos. Foi o que ocorreu a partir das imagens, mostradas pelos telejornais, de instalações de uma fazenda em Correntina (BA) destruídas, no dia de Finados, por supostos invasores.
       
Logo ecoou a grita geral de personalidades conservadoras: “Foi coisa do MST!” Como quem diz: “Coisa de preto”...
      
A fazenda Igarashi, de capital japonês, situada no oeste da Bahia, tem cinco mil hectares. Para irrigar a sua monocultura decidiu captar água dos rios Correntina, Grande e Carinhanha. Isso em uma região marcada por longos períodos de seca.
      
Centenas de famílias de pequenos agricultores, que dependem da água dos rios, se sentiram ameaçadas em sua sobrevivência como produtoras e pessoas físicas. Reclamaram junto às autoridades. Não se tomou nenhuma medida.
      
No dia 2 de novembro, decidiram promover uma ação de protesto na fazenda. Logo atribuída ao MST pelos que “primeiro atiram e, depois, perguntam”. Ora, o MST não se faz presente na região, nem como núcleo de base nem como acampamento ou assentamento.
      
O protesto das vítimas da ação nefasta do agronegócio nipônico foi organizado por movimentos pastorais e sociais da região, e atingidos por barragens.
      
Comprovou-se que os projetos de captação de água não levaram em conta os impactos socioambientais e, assim, secam os rios da região e provocam queda de energia. Havia um evidente processo de monopolização privada dos recursos hídricos.
      
Desde a década de 1970 se multiplicam violações e crimes do agronegócio naquela área. E as autoridades se fazem de surdas. Em 2000, populares desativaram um canal que pretendia desviar as águas do Rio Arrojado. Manifestações religiosas, conduzidas pelo canto fúnebre das “Alimentadeiras de alma”, foram promovidas para denunciar a morte das nascentes. Romarias, com milhares de pessoas, alertaram para a destruição dos Cerrados.
      
Em 2015, um grande ato com 6 mil pessoas tentou impedir a outorga de água para as duas fazendas alvos dos protestos recentes. O ato foi ignorado pelos órgãos ambientais da Bahia, que autorizaram a exploração de 183 mil metros cúbicos/dia.
      
Este volume de água, canalizado para apenas duas fazendas, equivale a mais de 106 milhões de litros diários, suficientes para abastecer, por dia, mais de 6,6 mil cisternas domésticas de 16.000 litros na região do Semiárido. Segundo a Comissão Pastoral da Terra, agrava-se a situação devido à crise hídrica do Rio São Francisco.

Hoje, a barragem de Sobradinho, considerada o “coração artificial” do rio, se encontra com o volume útil de apenas 2,84%. E a água consumida pela população de Correntina, aproximadamente 3 milhões de litros/dia, equivale a apenas 2,8% da vazão retirada pela fazenda do Rio Arrojado.
     
O povo de Correntina exerceu o seu direito democrático de chamar a atenção das autoridades e da opinião pública para o sedecídio a que está sendo injustamente condenado.



Frei Betto
. Assessor de movimentos sociais. Autor de 53 livros, editados no Brasil e no exterior, ganhou por duas vezes o prêmio Jabuti (1982, com "Batismo de Sangue", e 2005, com "Típicos Tipos")

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Quando me perguntam se é possível aplicar na educação brasileira práticas bem-sucedidas de países com melhores resultados educacionais que o Brasil, costumo responder - para surpresa do interlocutor - com uma afirmação e uma negativa. Essa conjunção de ‘sim e não’ é a...
Até o pleito de outubro, os eleitores colocarão uma lupa sobre os candidatos. Farão um controle mais apurado do que em eleições passadas. Primeiro, em função da desconfiança que paira sobre os políticos. Segundo, porque o voto começa a sair do coração para subir à cabeça. O voto...
Na esteira da decretação de intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, vemos o embate de como executar o trabalho. Membros do governo dizem que as Forças Armadas não terão poder de polícia, falam em ação de busca e apreensão monitorada pelo Judiciário e...
Isso é Brasil! Até onde vai a promiscuidade dos nossos governantes?  Será que estão realmente preocupados com a melhoria do ensino de medicina ou com possíveis futuros financiadores de campanhas políticas, em face à realidade nacional?  Pois bem; de olhos gananciosos no alto...
O escritor sergipano Ariosvaldo Figueiredo escreveu certa vez que “moralismo e juridicismo são vertentes ideológicas de uma pequena minoria conservadora”. Frase que nunca esteve tão atual como nos dias em que vivemos, onde quem deveria zelar pela moral e pelos bons...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Como falar às crianças e adolescentes sobre respeito às diferenças? E se essas diferenças forem algo de certa forma muito difícil de explicar? É isso que faz de forma poética e muito alegre o livro Você sabe quem eu sou? Então vou te contar, de Herica B. T. Secali.
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK