Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > O ladrão da vida: a morte!
 
O ladrão da vida: a morte!
28/11/2017 as 18:44 h  Autor Padre Ezequiel Dal Pozzo  Imprimir Imprimir
Nós carregamos a ideia de que existe hora da morte. Facilmente ouvimos a expressão "era hora dele". Isso, provavelmente, decorre da ideia de que Deus é autor e dono da vida. Que isso seja verdade, nós sabemos. Mas também tem suas consequências. Dizer que Deus é dono da vida é uma ideia verdadeira, mas não pode contradizer outras verdades acerca de Deus e da vida, que são igualmente verdadeiras. Junto dessa verdade está também a noção de que Deus nos cria por amor, nos dá liberdade total e a tarefa de construir a vida. Dizer que é dono da vida pode gerar a consequência de que ele determina tudo. Ele dá a vida e tira a vida. Essa é a conclusão natural da ideia de que Deus é dono. Se é dono ele manda, faz o que quer, determina com sua vontade a ordem das coisas, marca e define a hora de nossa morte. Isso passa a ser uma ideia evidente. Porém, embora pareça simpática, não é verdadeira. Isso choca com a ideia de liberdade. Deus nos criou livres. Se respeita a nossa liberdade em todo o processo da nossa vida, porque nos tiraria a liberdade marcando a hora da morte? Ele é autor da criação, autor da vida, mas nos criou livres.
    
A liberdade nos dá condições de construirmos a nossa vida. Nós somos responsáveis pela nossa construção. Podemos cuidar ou não da nossa vida. Podemos ter vida longa ou não, conforme o nosso cuidado, a nossa genética e tantos outros fatores que não podemos controlar. A parte que sai do nosso controle está entregue à natureza e às circunstâncias. Posso dizer: "aquela pessoa se cuidava muito e morreu cedo". Ou "aquele não se cuida e está ai vivo e forte". São exatamente as circunstâncias múltiplas que fogem ao nosso controle que tem seu peso em muitos casos. Porque estão fora do nosso controle também não significa que Deus esteja controlando. Elas fazem parte da própria natureza das coisas. O que interessa é aquilo que podemos controlar e assumir como responsabilidade nossa. A vida consciente e responsável exige cuidado em todas as dimensões. Podemos cuidar do corpo, da mente e do espírito. Cada uma dessas dimensões traz suas exigências. Para cuidar do corpo precisa boa alimentação, disciplina e hábitos saudáveis. Práticas e cuidado também exigem a mente e espírito. Se não fizer nada, pouco crescerei nessas áreas.     

Isso mostra que podemos controlar uma parte da vida através do nosso jeito de viver. Podemos prolongar e muito a vida. Mas quando falamos de vida estamos sempre falando de algo frágil. Não há garantia definitiva em nada. Não dá pra dizer: "viva dessa forma e viverás muitos anos". Da pra dizer como motivação para a pessoa assumir um estilo de vida saudável, mas isso não garante que de fato viverá muitos anos. Tem muitas coisas que fogem à regra e ao controle.

Diante da vida frágil está sempre o ladrão da morte. Quando Jesus fala para estarmos vigilantes e despertos porque não sabemos a hora em que o ladrão vem é isso que ele quer dizer. Quem não vive uma vida consciente e com sabor pode morrer sem estar consciente. Quem vive desperto, com amor e sabor também pode morrer, mas se acontecer, partirá feliz e não revoltado com a vida e com o mundo. Saber que podemos morrer é motivo para vivermos com intensidade todos os dias. O que importa mesmo é a qualidade dos nossos dias. Isso depende essencialmente do nosso jeito de viver. O ladrão da vida está na frente de todos, independente de como vivemos. Claro, queremos afastar com o máximo de nossas forças esse ladrão. Isso mostra que o ladrão da vida é a própria morte e não Deus, que de maneira errada continuamos a dizer que nos marca a hora da morte.    

Padre Ezequiel Dal Pozzo
   
contato@padreezequiel.com.br
www.padreezequiel.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img





img
RSS  Artigos Artigos

Acorda Brasil! Enquanto o país está batendo todos os recordes de desempregados, cerca de quase 14 milhões de desempregados, dentre eles, cerca de 130 mil cativos e/ou escravos contemporâneos da OAB, devidamente diplomados, qualificados pelo omisso MEC, jogados ao ...
É cada vez mais comum vermos pessoas comentando que se sentem mal ao ingerir determinados alimentos. Geralmente, esse mal-estar tem ligação com um quadro de intolerância ou alergia alimentar, duas condições de saúde bastante sérias e que, se não diagnosticadas...
Quando, depois de aposentado como juiz, também como professor me aposentei, fui tomado por uma crise de identidade. O vazio manifestou-se forte quando tive de preencher a ficha de entrada num hotel. Que profissão vou colocar aqui? Pensei alto. Se estava aposentado na magistratura e no magistério, nem como juiz, nem como professor poderia me definir. "Ser ou não ser", eis a questão.  Shakespeare, pela boca de...
A proteção social deve perseguida como prioridade por qualquer sociedade que busca o desenvolvimento socioeconômico e a estabilidade política. No Brasil, ainda temos milhões de cidadãos que vivem desprotegidos e necessitam do sistema de seguridade e de previdência públicos, sem os quais os impactos políticos, econômicos e sociais atingiriam a todos. O fato é que a grande maioria das famílias brasileiras não pode...
A ação da Polícia Federal na Universidade Federal de Minas Gerais, uma repetição da violência praticada também contra a Universidade Federal de Santa Catarina – que culminou com a morte do reitor Carlos Cancellier – parece indicar efetivamente, como denunciou o senador Roberto Requião, uma...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK