Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A pauta-bomba e a caça ao voto
 
A pauta-bomba e a caça ao voto
13/11/2017 as 16:42 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
O Congresso Nacional tem menos de um mês útil para trabalhar até que comece o recesso. Esta semana não haverá pauta porque temos o feriado na quarta-feira e os parlamentares emendaram, ficando em suas bases. Mas, mesmo assim, monta-se uma pauta-bomba, que atenta contra o ajuste fiscal. Foram retiradas da gaveta propostas de correção da tabela de isenção no Imposto de Renda, rolagem da dívida de municípios, perdão de multas e juros rurais e outros favores fiscais que, se aprovados, aumentarão em R$ 20 bilhões o rombo nas contas da União do próximo ano. De outro lado, incentivado pelos seus mosqueteiros da área econômica, o presidente Temer ensaia um projeto de reforma previdenciária mínima cujo objetivo é diminuir o déficit orçamentário aumentando a idade para o trabalhador se aposentar.

Os informes de bastidor dizem que o governo não tem cacife para aprovar, na Câmara e no Senado, a pretendida reforma da Previdência, já que deputados e senadores, na véspera de correr atrás dos votos, dificilmente embarcariam num projeto que vai retardar a aposentadoria do trabalhador (que é o seu eleitor). Por outra parte, o presidente e seus a uxiliares da área política não podem se descuidar porque, da mesma forma que não referendariam o endurecimento das aposentadorias e pensões, os parlamentares poderão aprovar o aumento da faixa de isenção no IR, a isenção de multas e a rolagem da dívida das prefeituras. Tudo isso é coisa simpática e pode se converter em voto.

Todos os governos que conhecemos e até aqueles que pesquisamos na história, pregaram reformas. Mas nenhum deles tem sido forte o suficiente para enfrentar a impopularidade de retirar ou retardar direitos do povo, que é o seu eleitorado. Michel Temer, ao ver a presidência cair em sua cabeça, sonhou passar para a história como um reformador e, por isso, paga o amargo preço da impopularidade recorde. Seus adversários exacerbaram o discurso e o governo teve de recorrer aos métodos de compra de votos para não cair. Palacianos admitem hoje uma reforma ministerial, que também poderá servir de moeda de troca para a aprovação de projetos do Executivo no Congresso Nacional. Espera-se que o presidente tenha sensibilidade suficiente para não gastar esse pequeno cacife com propostas inviáveis para um momento eleitoral. A essa altura dos acontecimentos, os parlamentares só pensam na melhor forma de conseguir a reeleição. Tudo o que soar impopular, com certeza, será rejeitado e aquilo que venha a adoçar a boca do eleitor pode ser aprovado. Mesmo que depois não se concretize...
 



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
- dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Montesquieu, em seus pensamentos, ensinava: “Quando vou a um país, não examino se há boas leis, mas se são executadas as que há, pois existem boas leis por toda a parte”. E Sólon, o filósofo grego, ao ser perguntado se outorgara aos atenienses as melhores, saiu-se com esta resposta: “dei-lhes as melhores leis que eles podiam aguentar”. As duas pequenas lições calham bem no momento vivido pelo país. Primeiro, por refletir o estado...
Este ano teremos eleições para presidente e governadores. Todos, sem nenhuma exceção, farão duas promessas: reduzir a pobreza e reduzir o desemprego. Esses são os dois maiores flagelos sociais brasileiros. Ainda que todos digam as mesmas coisas e façam as...
O presidente Michel Temer afastou quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa Econômica Federal, investigados por irregularidades apuradas pela Operação Greenfield, do Ministério Público Federal. O Conselho da instituição se prepara para assumir a tarefa de nomear e demitir esses...
Em 21 de janeiro celebra-se o Dia Mundial da Religião. Em artigo publicado na Folha de S.Paulo na década de 1980 arguido por um leitor se não sectarizaria a minha palavra o fato de, em meus escritos, dar muito valor à Religião, escrevi: Não vejo Religião como ringues de luta livre, nos...
Na medida em que vamos caminhando e construindo a nossa vida, também vamos deixando rastros. Os rastros são as marcas que deixamos. Podem ser marcas de amor e podem ser marcas de dor e desgosto. Perguntar a si mesmo sobre que rastros eu estou deixando é muito importante...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK