Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Reforma 500 anos: A trajetória brasileira
 
Reforma 500 anos: A trajetória brasileira
11/11/2017 as 11:41 h  Autor Pastor Luiz Sayão  Imprimir Imprimir
O panorama religioso brasileiro mudou radicalmente. A religião dominante perdeu espaço, minorias como os sem-religião, espíritas e evangélicos têm crescido no Brasil. Os pentecostais e neopentecostais cresceram de modo surpreendente. Os herdeiros da Reforma Protestante, os evangélicos, eram cerca de 13% da população em 1991, chegaram a 22% em 2010 e atingem 32% hoje (Datafolha). São mais de 60 milhões de pessoas.
 
A Reforma, que mudou a história da Europa, foi um retorno à Bíblia. Sola Scriptura foi o grito de Lutero, acompanhado por Calvino, Zuínglio e muitos outros. As mudanças socioculturais, econômicas e teológicas decorrentes do Protestantismo reescreveram a trajetória de diversos povos e lhes deu nova identidade.  Os contornos teológicos do fim da Idade Média exigiam uma releitura da cristandade europeia a partir de suas origens. Os reformadores, luteranos, anglicanos, calvinistas e anabatistas, esboçaram uma caminhada em direção ao cristianismo primitivo, à busca da exegese bíblica, à compreensão da graça divina e da salvação, à liberdade de consciência.
 
O primeiro culto protestante das Américas aconteceu no Rio de Janeiro (1557). Com a Constituição de 1824 e a entrada de imigrantes alemães e suíços, luteranos e reformados chegaram ao país. Mas, só tiveram influência decisiva na formação religiosa dos imigrantes e seus descendentes. Paralelamente, os ingleses que aqui viviam tiveram liberdade de praticarem o anglicanismo. O protestantismo missionário chegou mais tarde: congregacionais (1855), presbiterianos (1859), metodistas (1867) e batistas (1871).
 
Tradicionalmente agentes da modernidade e secularização, nossos protestantes não se alinharam com a cultura brasileira. Com herança puritana, espiritualidade petista e ênfase no indivíduo, a nova fé via a tradição católica como atraso e pobreza. A fé protestante valorizava o trabalho, a repressão das paixões, a intelectualidade produtiva e a tranquilidade econômica da posteridade. As características desse protestantismo missionário podem ser assim resumidas:

Doutrinária. Ênfase na autoridade da Bíblia em oposição à tradição, crença na salvação individual pela graça e pela fé e não em obras e sacramentos, intermediação única de Cristo entre Deus e o homem em oposição à intercessão de Maria, dos santos etc.

Culto. Abolição de ícones no culto, centralidade da pregação, valorização da atuação dos leigos, proselitismo (conversão), negação do mundo e repressão das paixões (santificação), maior participação dos membros no culto.
 
A enorme extensão do país e a falta de sacerdotes romanos marcaram a dificuldade católica de cuidar de seus fiéis, membros de uma fé diversificada. Como notou Gilberto Freyre, os portugueses tinham uma divisão de personalidade, acostumados com diferenças raciais e religiosas que marcaram sua história. No caso do Brasil caboclo e mulato, a flexibilidade e convivência com a contradição se tornaram uma realidade. As ideias liberais e positivistas, aliadas à influência maçônica, presentes na elite permitiram maior liberdade religiosa no país. Assim, os protestantes começaram a evangelização para converter os católicos à nova fé. Distribuindo Bíblias, realizando cultos vivos, usando leigos nas pregações, nas escolas dominicais e numa estrutura de igreja marcada pela ampla participação dos fiéis, os protestantes iniciaram com sucesso sua empreitada no país.
 
A tropicalização desse protestantismo é uma experiência única. Trata-se de uma igreja muito recente, em busca de sua identidade e caminho. Em parte, é uma expressão de progresso e desenvolvimento social, em parte é retrógrada e obscurantista. Seu perfil mais popular se afasta de suas raízes e mostra-se cheio de misticismo, marcados por experiências existenciais e espirituais frágeis e pré-modernas. O que será do Protestantismo Brasileiro, o movimento evangélico? Se não é fácil entender nosso Brasil, mais difícil será compreender nossa igreja evangélica. Qualquer previsão sobre o futuro é temerária. Que Deus nos ajude e nos abençoe.
 
Luiz Sayão é pastor, teólogo e hebraísta da Igreja Batista Nações Unidas (São Paulo-SP)

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Simão Cireneu encontrava se bem distante de Cirene, sua cidade natal situada no norte da África, atual Líbia, por ocasião da crucificação de Jesus. Simão se dirigira a Jerusalém, naqueles dias, para participar das festas de Páscoa, e encontrava-se ali para cumprir um ritual religioso....
A agenda da reforma trabalhista e sindical está pautada na sociedade brasileira há algum tempo, em função de vários motivos, como as mudanças na base produtiva e na divisão internacional do trabalho, a expansão do setor de serviços e a disseminação de novas tecnologias e do...
O sentimento de amizade verdadeira, firmada na labuta diária, é fator significativo no fortalecimento das relações, para a superação dos dissabores, não somente no âmbito familiar, também no coletivo. No Apocalipse de Jesus, 1:9, João Evangelista revela — por causa da palavra de Deus e...
O Brasil vive delicado momento. Não se trata apenas de crise política ou econômica, o que preocupa é a crise de firmeza de decisão, de rumos para o país. Talvez fosse este o momento de firmar posições, abandonar dogmas superados e adotar o modernismo administrativo. Fundamentado...
A intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro parece medida tardia, se analisada a partir do estado de guerra vivido pelos cariocas já há um bom tempo. E a criação do Ministério da Segurança Pública pode ser a medida adicional para a retomada do controle naquela e nas...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Como falar às crianças e adolescentes sobre respeito às diferenças? E se essas diferenças forem algo de certa forma muito difícil de explicar? É isso que faz de forma poética e muito alegre o livro Você sabe quem eu sou? Então vou te contar, de Herica B. T. Secali.
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK