Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Tecnologia no comportamento estudantil
 
Tecnologia no comportamento estudantil
24/10/2017 as 15:45 h  Autor Antonio Marcos Jacinto  Imprimir Imprimir
Há muitos estudos relacionados a descobrir como a mente humana funciona. Há também muitas pesquisas, descobertas e incertezas. E isso não é novidade. Desde criança o aprendizado de nossa mente é ininterrupto, sempre evoluindo, conhecendo e descobrindo. Não somente recebendo e armazenando informações do mundo que as envolve, mas também transmitindo sinais que, na maioria das vezes, são muito difíceis ou até mesmo imperceptíveis de serem decifrados.

Será que alguns desses sinais poderiam indicar comportamentos futuros que venham a influenciar na vida das crianças? Será que a tecnologia, mais especificamente, a inteligência artificial, poderia auxiliar na descoberta e interpretação de padrões de comportamento das crianças que indiquem alguma medida preventiva a ser adotada? Padrões de comportamento poderiam indicar algum tipo de distúrbio ou até mesmo síndromes que ainda não estão perceptíveis aos especialistas? O cruzamento de informações relacionadas a pessoas poderia colaborar com essa descoberta?

Se considerarmos que as crianças passam um bom tempo de suas vidas em sala de aula, muitos sinais são enviados no dia a dia, que, se forem coletados e armazenados, poderão compor uma base de conhecimento que poderá ser utilizada para mapeamento desse seu comportamento. Alguns desses já foram mapeados anteriormente, porém algumas combinações de dados, ainda não mapeados ou descobertos por especialistas, poderiam indicar a probabilidade de a criança vir a desenvolver algo que no futuro influencie sua vida negativamente. É nesse segmento que o uso da tecnologia, por meio da inteligência artificial, poderia apoiar os especialistas para diagnosticar algo que não é visível a "olho nu", ou que a criança não dê sinais de possuir ainda.

O professor na sala de aula, notando algum tipo de comportamento fora do padrão de determinada criança, se comparada às demais, poderia coletar informações a respeito para alimentar uma base de dados. Somente a coleta desses dados na escola pode não ser suficiente, por isso o papel e participação dos pais é de fundamental importância, pois em casa a criança também pode vir a demonstrar algum comportamento anormal, então a parceria entre a família da criança e a escola teria que ser estreita.

Com as informações coletadas na escola e na casa da criança, o uso de algoritmos de inteligência artificial poderia ser aplicado para processá-las e realizar o cruzamento nos dados, de forma que comportamentos anteriores já mapeados e confirmados e outros que não foram ainda poderiam indicar a probabilidade da criança também desenvolvê-la.

De posse dessas informações, um especialista poderia ter evidências para um melhor diagnóstico de possíveis distúrbios que a criança poderá desenvolver e que não tenha demonstrado sinais ainda, indicando algum apoio profissional para melhorar sua qualidade de vida e de sua família e aprofundando em exames e monitoramentos a respeito da criança.

A inteligência das coisas é algo que chegou para ficar e, assim como suas aplicações, é de extrema importância para a evolução natural da humanidade. A inteligência em interpretação comportamental aplicada a crianças para identificação de distúrbios que talvez possam ser identificados ainda no início ou mesmo sem indícios que a criança demonstre poderiam oferecer uma qualidade de vida que talvez não venha a ter.

O aprendizado de máquina hoje é uma realidade, mas não para substituir um especialista. O ideal seria unir esforços para evoluirmos e melhorarmos a qualidade de vida que é o princípio básico que possuímos. Se houver apenas um caso proativo que venha a ajudar uma criança, já terá valido a pena essa união.

Nem todas as famílias possuem facilidade ou condições de acesso a acompanhamento médico especialista e muitas vezes seus filhos demonstram sinais que não são interpretados em seu convívio familiar. A disponibilização da tecnologia para uso da população menos privilegiada poderia amenizar grande parte dos problemas das crianças e suas famílias e, onde poderia ser melhor utilizada senão em escolas públicas?

O apoio da tecnologia para descoberta de algo que não tenha sido conhecido tem que ser valorizado e explorado, que não fique somente em laboratórios ou em setores específicos e privilegiados, mas sim disponível para toda população que não tem condição de acesso a esse tipo de ação e são as que mais padecem desse segmento. O quanto estamos longe dessa realidade? Particularmente, acredito que mais próximos de alcançá-la do que do ponto de partida.



Antonio Marcos Jacinto
é coordenador de projetos no Instituto das Cidades Inteligentes (ICI). Formado em tecnologia em processamento de dados, com pós-graduação em banco de dados. Está na área de informática há mais de 20 anos, sendo também instrutor oficial Oracle Database.

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Simão Cireneu encontrava se bem distante de Cirene, sua cidade natal situada no norte da África, atual Líbia, por ocasião da crucificação de Jesus. Simão se dirigira a Jerusalém, naqueles dias, para participar das festas de Páscoa, e encontrava-se ali para cumprir um ritual religioso....
A agenda da reforma trabalhista e sindical está pautada na sociedade brasileira há algum tempo, em função de vários motivos, como as mudanças na base produtiva e na divisão internacional do trabalho, a expansão do setor de serviços e a disseminação de novas tecnologias e do...
O sentimento de amizade verdadeira, firmada na labuta diária, é fator significativo no fortalecimento das relações, para a superação dos dissabores, não somente no âmbito familiar, também no coletivo. No Apocalipse de Jesus, 1:9, João Evangelista revela — por causa da palavra de Deus e...
O Brasil vive delicado momento. Não se trata apenas de crise política ou econômica, o que preocupa é a crise de firmeza de decisão, de rumos para o país. Talvez fosse este o momento de firmar posições, abandonar dogmas superados e adotar o modernismo administrativo. Fundamentado...
A intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro parece medida tardia, se analisada a partir do estado de guerra vivido pelos cariocas já há um bom tempo. E a criação do Ministério da Segurança Pública pode ser a medida adicional para a retomada do controle naquela e nas...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Como falar às crianças e adolescentes sobre respeito às diferenças? E se essas diferenças forem algo de certa forma muito difícil de explicar? É isso que faz de forma poética e muito alegre o livro Você sabe quem eu sou? Então vou te contar, de Herica B. T. Secali.
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK