Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Agronegócio do Século XXI x Romantismo Indigenista do Século XIX
 
Agronegócio do Século XXI x Romantismo Indigenista do Século XIX
11/10/2017 as 16:08 h  Autor Júlio Busato  Imprimir Imprimir
O Agronegócio está no século XXI, utilizando tecnologia de ponta, com mais produtividade, colhendo mais em menos área, e respeitando cada vez mais a legislação ambiental e trabalhista. Enquanto isto, alguns críticos do Agronegócio, a exemplo da economista Miriam Leitão, em artigo publicado no último domingo (8) em sua coluna em “O Globo” desconsidera a realidade e parece se influenciar pelo idealismo romântico do Índio brasileiro retratado em Iracema (1865), do autor José de Alencar.
 
De uma realidade econômica de crise, o Agronegócio foi o setor que ajudou a tirar o Brasil da recessão, quando cresceu 1% do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre deste ano.  A agropecuária registrou, ainda segundo os dados do IBGE, no primeiro trimestre do ano, uma expansão em mais de 20 anos, sendo este o maior crescimento desde o 4º trimestre de 1996. Respondendo à pergunta: Quando o século XXI chegará ao campo brasileiro?

O forte crescimento de 44 milhões de toneladas da produção agrícola na safra 2016/2017, de 188 milhões para 232 milhões de toneladas de grãos, ajudou a minimizar os impactos de uma economia estagnada e em recessão. Esse desempenho, segundo os especialistas sérios em economia, está ligado à motivação dos produtores em incorporar tecnologia e agregar valor à produção e buscar estratégias de comercialização eficientes.  O setor emprega, gera renda e apóia o desenvolvimento fora dos grandes centros. Em resumo, estamos à frente do nosso tempo!
 
Os agricultores vêm buscando de maneira rotineira a adesão dos agricultores brasileiros ao respeito integral à legislação ambiental e trabalhista e incorporando os critérios de sustentabilidade e da rastreabilidade na cadeia produtiva de grãos e fibra. Estamos sim, no século XXI, ao contrário do que afirma Miriam Leitão, que ainda quer acreditar que os índios utilizam as terras como há dois séculos, sobrevivendo da caça, da pesca e da coleta de sementes e raízes da floresta. Bem diferente do idealismo criado pela articulista de “O Globo”, de que eles somente preservam a floresta e a mata nativa, hoje, eles negociam suas terras, adquirem bens, tem casas, vão ao supermercado e também precisam de uma renda, e encontram um jeito, mesmo que longe da economia formal, ao qual ela está acostumada a vangloriar os números como economista.
 
A proposta de legalizar o arrendamento de áreas indígenas demarcadas para a produção agrícola tem o caráter de mediar uma realidade já existente em alguns pontos do Centro-Oeste, Norte e Nordeste do Brasil. Além de regularizar arrendamentos, a medida provisória do presidente Michel Temer, intermediada pelos deputados da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) – que não representam somente as demandas do agronegócio, mas  de toda a nação - vai garantir renda, de origem transparente e lícita, para o indígena, cobrança de impostos desta negociação e garantir maior tranquilidade de quem deseja ou já arrenda uma trecho de terra tornando-a produtiva e legal, respeitando as legislações que regulamentam a atuação do setor agrícola.
 
Mais do que ampliar e “atacar” as áreas indígenas, regularizar estas negociações é fundamental para adaptar a lei a uma realidade que já existe. Ao invés de entrar no idealismo romântico do indígena no século XIX, defendido pela colunista Miriam Leitão,  nós agricultores, pequenos, médios, e grandes, encaramos a realidade, plantamos e colhemos, nos preparamos para as adversidades, e garantimos a comida na mesa e o fortalecimento da economia nacional.  E, agora, somos nós quem perguntamos: Quando vai deixar o romantismo indígena do século XIX de lado e retratar a realidade econômica do século XXI? (Júlio Cézar Busato, agricultor, presidente da Abapa e vice-presidente da Abrapa).



Júlio Busato
– Agricultor, presidente da Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) e vice-presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa).

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Quando me perguntam se é possível aplicar na educação brasileira práticas bem-sucedidas de países com melhores resultados educacionais que o Brasil, costumo responder - para surpresa do interlocutor - com uma afirmação e uma negativa. Essa conjunção de ‘sim e não’ é a...
Até o pleito de outubro, os eleitores colocarão uma lupa sobre os candidatos. Farão um controle mais apurado do que em eleições passadas. Primeiro, em função da desconfiança que paira sobre os políticos. Segundo, porque o voto começa a sair do coração para subir à cabeça. O voto...
Na esteira da decretação de intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, vemos o embate de como executar o trabalho. Membros do governo dizem que as Forças Armadas não terão poder de polícia, falam em ação de busca e apreensão monitorada pelo Judiciário e...
Isso é Brasil! Até onde vai a promiscuidade dos nossos governantes?  Será que estão realmente preocupados com a melhoria do ensino de medicina ou com possíveis futuros financiadores de campanhas políticas, em face à realidade nacional?  Pois bem; de olhos gananciosos no alto...
O escritor sergipano Ariosvaldo Figueiredo escreveu certa vez que “moralismo e juridicismo são vertentes ideológicas de uma pequena minoria conservadora”. Frase que nunca esteve tão atual como nos dias em que vivemos, onde quem deveria zelar pela moral e pelos bons...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Como falar às crianças e adolescentes sobre respeito às diferenças? E se essas diferenças forem algo de certa forma muito difícil de explicar? É isso que faz de forma poética e muito alegre o livro Você sabe quem eu sou? Então vou te contar, de Herica B. T. Secali.
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK