Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A REFORMA POLÍTICA NÃO PODE ESPERAR MAIS!
 
A REFORMA POLÍTICA NÃO PODE ESPERAR MAIS!
22/07/2017 as 09:40 h  Autor Victoria Angelo Bacon  Imprimir Imprimir
A importância de como se governa e não quem governa no pensamento filosófico de Aristóteles e Políbio compartilhavam da uma mesma classificação das diversas formas de governo, antes do nascimento da República e do presidencialismo. O resultado da necessidade de uma Reforma Política profunda a um país fadado em um presidencialismo de coalizão aonde a oposição vem perdendo cada vez mais espaço no debate é a marca mais profunda de um governo impopular das massas e tão aceitável aqueles eleitos pela mesma massa (eleitorado nacional). “O como se governa” que define o perfil de um governante e isso não se tem no atual presidente que não responde às expectativas nem dos empresários e nem da população, pois, a política estagna a economia que apresenta melhora, mas não chega à esmagadora maioria da população que precisa desse resultado aparentemente positivo para voltar a consumir e satisfazer os apoiadores do atual governo (empresariado).

O cenário da estagnação política misturada numa economia a trancos e barrancos e por fim, recaindo na jurídica é o estopim que o nosso país atravessa, após o tsunami das operações da PF e delações do primeiro semestre de 2017. A necessidade urgente de uma Reforma Política responde à máxima crítica de Nietzsche quanto das instituições e valores das sociedades modernas bem típicas do Brasil de 2017.

As reformas trabalhista e da previdência do governo Temer poderiam esperar mais para ser debatida? Em um momento que a crise política estagna a economia ou a “maneira” política como foi construída pela equipe política do Planalto acabará por ter repercussão e gargalos em longo prazo que será sentido nas próximas gerações, isso é certo. O presidente Temer tinha uma resposta a dar aos empresários que acreditaram em seu mandato tampão e protagonizaram o mote do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Cabe a ele (Temer) responder mesmo com baixíssima aprovação política, muito pior ao próprio Trump nos Estados Unidos essa expectativa criada há exato um ano. O cientista político José Álvares Machado (USP) argumentou num evento do Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial que a pressa na construção das Reformas, criou na grande massa da população apenas o lado negativo dela (s). A Reforma da Previdência tem um aspecto curioso, pretende equalizar a todos os cargos e funções dos poderes a aposentadoria e as regras, justamente aquilo que estabelece a Constituição Federal (principio da isonomia).

A ideia, talvez valida de um presidencialismo de coalizão, poderia ser aceito para que a herança maldita do governo do PT (13 anos) que fadou o Brasil ao caos econômico e político, jamais assistido desde a ascensão da República, pudesse colocar o país no eixo diretivo da economia, portanto, o possível presidencialismo de coalizão deu espaço a cooptação de uma esdrúxula jurídica forma de se comprar parlamentares para aprovar Reformas que até então seria impensável de ser aprovadas. A reforma da previdência de 2003 demorou 13 anos para começar a caminhar. O governo Lula colocou debaixo do tapete uma crise que se agravaria. Ganhou-se tempo e prestígio político por anos (para o Lula) e colocou o país e principalmente o funcionalismo público na maior crise previdenciária assistida. Todos os fundos de pensões estão falidos ou à mercê da falência.

A geração de emprego e/ou a melhoria da renda não chegou à maioria da população o que contraria qualquer expectativa política de melhora da economia, pois uma é o resultado equacionário do modo operandis da política nacional. A necessidade de uma consulta popular (referendo) daquilo que o Congresso irá discutir e trazer a nós para aprovarmos ou rejeitarmos. Por que não a Reforma Política. Precisamos institucionalizar a República e não funalizá-la. Se não houver uma Reforma Política profunda com a participação de todos os segmentos da sociedade e referendada pela população, preparemo-nos para próximas reformas trabalhistas e previdenciárias e tantas outras que jogarão água quente na areia do Brasil.





Victoria Angelo Bacon, secretária Executiva e Jornalista.

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Quando me perguntam se é possível aplicar na educação brasileira práticas bem-sucedidas de países com melhores resultados educacionais que o Brasil, costumo responder - para surpresa do interlocutor - com uma afirmação e uma negativa. Essa conjunção de ‘sim e não’ é a...
Até o pleito de outubro, os eleitores colocarão uma lupa sobre os candidatos. Farão um controle mais apurado do que em eleições passadas. Primeiro, em função da desconfiança que paira sobre os políticos. Segundo, porque o voto começa a sair do coração para subir à cabeça. O voto...
Na esteira da decretação de intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, vemos o embate de como executar o trabalho. Membros do governo dizem que as Forças Armadas não terão poder de polícia, falam em ação de busca e apreensão monitorada pelo Judiciário e...
Isso é Brasil! Até onde vai a promiscuidade dos nossos governantes?  Será que estão realmente preocupados com a melhoria do ensino de medicina ou com possíveis futuros financiadores de campanhas políticas, em face à realidade nacional?  Pois bem; de olhos gananciosos no alto...
O escritor sergipano Ariosvaldo Figueiredo escreveu certa vez que “moralismo e juridicismo são vertentes ideológicas de uma pequena minoria conservadora”. Frase que nunca esteve tão atual como nos dias em que vivemos, onde quem deveria zelar pela moral e pelos bons...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Como falar às crianças e adolescentes sobre respeito às diferenças? E se essas diferenças forem algo de certa forma muito difícil de explicar? É isso que faz de forma poética e muito alegre o livro Você sabe quem eu sou? Então vou te contar, de Herica B. T. Secali.
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK