Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Segurança Pública, a maior das crises
 
Segurança Pública, a maior das crises
17/07/2017 as 16:06 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&  Imprimir Imprimir
O assassinato de quase uma centena de policiais no primeiro semestre do ano, os tiroteios que aterrorizam moradores e interrompem artérias de alta importância no trânsito mostram que o Rio de Janeiro vive num efetivo clima de guerra. Mas São Paulo, onde o caos não é tão grande quanto o carioca, também é apreensiva com os sucessivos ataques e mortes a policiais, muitos deles abatidos por pura retaliação dos criminosos à sua condição de agente da lei. A crônica das duas maiores cidades do país ainda contabiliza casos de bebês baleados no ventre materno, roubo de veículos – especialmente motos – em plena luz do dia e em locais movimentados. Tudo isso sem falar dos esquemas mantidos pelo crime organizado, cada vez mais ameaçador.

O mais perverso de todo o quadro é que o grande combustível da criminalidade é alienígena. Tanto as armas de guerra hoje em poder dos criminosos quanto as drogas por eles comercializadas vêm de outros países e entram clandestinamente pelas fronteiras secas, por aeronaves que voam abaixo da leitura dos radares, desova em nosso litoral de mais de 8 mil quilômetros ou infiltradas em carregamentos de mercadorias. A vulnerabilidade de nosso território pela deficiência de vigilância nas fronteiras ensejou a entrada das mercadorias que potencializam as disputas criminosas e as mortes da população, em particular as dos policiais. Hoje, além das duas maiores capitais, o quadro de insegurança é geral, passando pelas cidades grandes e médias e chegando até as pequenas localidades onde os poucos postos bancários e caixas eletrônicos são dinamitados e, para inibir a ação policial, as delegacias e postos são previamente metralhados pelas quadrilhas em ação.

O mais trágico de todo quadro é que não há esperança de arrefecimento do crime. Até porque o governo federal tem cortado as verbas de custeio das polícias encarregadas do controle das fronteiras e das rodovias. Com as forças federais menos ativas na prevenção, a carga de trabalho aumenta para as polícias estaduais, que não podem agir sobre as causas mas recebem os efeitos da chegada das drogas e armas ilegais. Por falta de investimentos, a população morre vítima das balas perdidas e as polícias e seus policiais sucumbem pela falta de recursos ao seu trabalho. A crise brasileira é muito mais do que os grandes escândalos de corrupção e mau comportamento dos políticos. Ela se faz presente na vida de todos os brasileiros e carece de amplas medidas que vão muito além das reformas trabalhista, previdenciária e política que o governo hoje tenta implantar.
 



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
- dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img





img
RSS  Artigos Artigos

A ação da Polícia Federal na Universidade Federal de Minas Gerais, uma repetição da violência praticada também contra a Universidade Federal de Santa Catarina – que culminou com a morte do reitor Carlos Cancellier – parece indicar efetivamente, como denunciou o senador Roberto Requião, uma...
Disse o Sérgio Moro de sempre, diante de um comentário do ex-presidente Lula sobre os desmandos da justiça, que não debateria “publicamente com pessoas condenadas por crimes”. É a cara dele. Acha-se no direito de tecer comentários sobre tudo e sobre todos, projetando-se...
Nos últimos três anos, a Petrobras, maior empresa brasileira, foi alvo de um processo sistemático de desmoralização. Como resultado, a companhia começou a ser esquartejada, com vários de seus ativos sendo vendidos sem nenhuma transparência, e o pré-sal, maior...
Virou moda atribuir a violência e a criminalidade à falta de policiamento ou aos métodos de trabalho empregados pela força policial. O tema já sustentou muitas campanhas eleitorais e serviu de instrumento para os agitadores sociais atingirem seus objetivos. Uns clamam por maior presença...
Lembrei-me da música “A ordem do inverso” quando vi a reportagem sobre o primeiro transplante de coração do mundo. O Brasil parece ser mesmo o país do tanto faz, o que é correto já não vale mais, pelo visto roubaram SIM a imparcialidade da impressa, mas do simples cidadão a consciência, ainda não. Veja como se encontra a “imparcialidade da imprensa” nessa reportagem do fantástico em comemoração aos 50 anos do...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK