Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Sair de casa é desafio para mães com bebês
 
Sair de casa é desafio para mães com bebês
12/05/2017 as 16:46 h  Autor Irene Nagashima e Taís   Imprimir Imprimir
O Dia das Mães, assim como outras datas comemorativas, vem gerando polêmica: dizem que a data se tornou puramente comercial. Opiniões à parte, o que não podemos negar é que os corações de mães e filhos parecem ficar mais doces neste dia. Seja pelo simbolismo ou simplesmente para se estar, fisicamente ou não, junto àquelas que cumpriram a missão de gerar vidas, não só aquela gestada no ventre, mas também a germinada no coração, nascida no encontro de almas.

A maternidade é um deleite, é emoção na sua forma mais pura, mas também é uma batalha diária contra monstros reais e imaginários. Difícil definir a maternidade em todos os seus significados e impactos sem ter passado por ela. Aquele mundo de comercial de margarina pode não acontecer em muitas casas. Encontrar-se descabelada e de pijama às três da tarde, com cheiro de leite ou de pomada antiassaduras; estar com a casa de pernas pro ar e muitas vezes não ter ajuda no cotidiano caótico pode ser desanimador. Por isso, é fundamental que mães e as pessoas que as cercam saibam que sim, existe vida social e momentos que podem ser prazerosos após o parto, sem abrir mão da companhia do bebê.

Passamos por tudo isso. Foi nesta fase sensível e enlouquecedora, em meio à falta que sentíamos dos passeios que faziam parte de nossa rotina, que invadimos uma sala de cinema com outras mães e nossos bebês a tiracolo. Foi renovador e muito gratificante voltarmos a ter um programa nosso, assistir a um filme no cinema, papear e trocar experiências sobre a maternidade recente. E o que é melhor: junto com nossos bebês. Foi desta experiência que surgiu o CineMaterna.

E com toda a certeza nossa equipe de 360 mães mensalmente conhecem também esse universo. São estas mulheres, que passam diariamente pelas delícias e desventuras da maternidade, que estão à frente dos detalhes que transformam o CineMaterna em uma sessão especial de cinema, levando comodidade, com tranquilidade e segurança às mães, pais e bebês. Elas ajudam a concretizar nosso sonho, provando para as mães que sim, o mundo continua igual lá fora e que elas podem fazer parte dele com seus bebês nos braços; que tirar o pijama e sair de casa com um ser tão pequenino é, sim, um desafio, mas que ela vai tirar de letra.

Para a equipe do CineMaterna, o Dia das Mães também serve para comemorar o recorde de todos os picos de público anteriores. Somente em março passado, 6.282 adultos com 3.517 bebês estiveram presentes em nossas sessões; um aumento de mais de 12% em relação ao recorde mensal de 2016. Para nós, este número representa muito mais que um índice. Revela que cada vez mais mulheres estão redescobrindo a vida social e cultural no pós-parto, e que o nosso trabalho vai muito além de promover sessões de cinema adaptadas para as mães com seus bebês. O CineMaterna proporciona momentos de relaxamento e diversão em meio ao caos da vida diária de uma mãe recém-nascida. Promovemos um grupo de apoio, disponibilizando espaços para a troca de experiências entre mães, mostrando às mulheres nesta fase da vida que o filho recém-chegado não é empecilho para ela sair de casa, que seus deslocamentos não precisam se restringir ao consultório do pediatra. Arrumar-se para sair, mudar a rotina, distrair-se com um filme, conversar, fazer novas amizades, desabafar e entender que a vida nunca mais será a mesma porque o amor materno muda as mulheres. E que isso é muito, muito bom.

Irene Nagashima e Taís Viana são fundadoras do CineMaterna

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img



img
RSS  Artigos Artigos

Denunciado formalmente e ameaçado de tornar-se réu pela prática de crimes, o presidente Michel Temer vive a solidão do poder. O cercam aliados também problemáticos que, como num abraço de afogados, esperam desesperadamente, via corporativismo, a oportunidade se...
Escolher qual profissão seguir não é tarefa simples. Uma das grandes dificuldades nesse processo é o aumento da quantidade de profissões disponíveis para o candidato escolher, em um mercado de trabalho cada vez mais exigente e competitivo. Além disso, quando o candidato apresenta diferentes áreas de interesse (gostar de música e de química ao mesmo tempo, por exemplo), deverá refletir sobre quais dessas atividades gostaria de...
Essa ideia é muito comum a muita gente. Dizemos que o mundo é perfeito e que o ser humano com sua ação, com seus pecados, o estraga. Não há dúvidas que muitas coisas que fazemos não favorecem a harmonia da criação. Muitas ações do ser humano estragam a beleza da...
O projeto de lei aprovado na Câmara dos Deputados promove uma devastação dos direitos trabalhistas, individuais e coletivos. Em apenas duas semanas, os deputados rasgaram o projeto encaminhado pelo poder Executivo e fizeram uma radical mudança no sistema de...
O número de acidentes nas estradas do Brasil é preocupante: mais de 41 mil pessoas morrem todos os anos, vítimas de acidentes fatais, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Estatísticas indicam que 94% dos acidentes fatais são decorrentes de falhas humanas. Todos os anos, instituições não governamentais e o poder público discutem medidas variadas para educar e mobilizar motoristas, pedestres e...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
Obra da Ática, lançada em 2011, traz as ilustrações originais de Jim Kay e tradução do escritor Antônio Xerxenesky. É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK