Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Certificação agrícola: por quê?
 
Certificação agrícola: por quê?
10/05/2017 as 07:33 h  Autor Ciro Antonio Rosolem  Imprimir Imprimir
Importante parcela da população mundial se preocupa cada vez mais não só com a qualidade dos produtos consumidos, como também como eles foram produzidos. Foi respeitado o ambiente? Trabalho infantil? Foram respeitados os direitos de todos os envolvidos? E ainda outros detalhes.
 
Bom, mas não é suficiente que o produtor assegure: meu produto é bom, ou o famoso “la garantia soy yo”. Alguém, ou alguma instituição, independente, precisa analisar o processo produtivo e atestar que certos requisitos e regras foram cumpridos. Isso é certificação de produtos.

Os consumidores já têm a disposição uma série de produtos brasileiros certificados. Os mais comuns e conhecidos são os produtos orgânicos e biodinâmicos, disponíveis em todo o país. Mas há muitos outros, voltados principalmente para a exportação, uma vez que a preocupação com a rastreabilidade dos produtos, com o bem estar das populações e conservação ambiental é maior nos países desenvolvidos, mais ricos. Dentre outros, são mais conhecidos o Fair Trade e Rainforest Alliance, com maior atuação na área de cafeicultura; o Selo FSC, mais ligado à exploração da madeira e castanhas; UTZ Certified, Ethical Trading Initiative, e outros.

Em culturas anuais a prática de certificação tem sido menos difundida, mas existem iniciativas, tais como a RTRS (Round table on Responsible Soybean Association), Algodão Brasileiro Responsável e Soja Plus. Cada programa de certificação tem objetivos específicos, mas em todas, o princípio básico é que a legislação oficial tenha sido obedecida, mas as metas são mais rigorosas que isso. A diferença é que são feitas auditorias para se certificar que as regras foram cumpridas. As preocupações mais comuns são com o ambiente, trabalho infantil e remuneração justa, mas podem ir muito além, como exigir desmatamento zero, mesmo que o produtor possa, de acordo com a legislação, ainda aumentar a área explorada.

Assim, a certificação procura “vender” uma característica que seja do interesse de um grupo de consumidores, seja um vinho, café madeira, frango, frutas, enfim, qualquer produto. Apesar de não garantir a qualidade alimentar do produto, a certificação garante a qualidade do processo produtivo. Alguns mercados pagam mais por isso. Por exemplo, os orgânicos, cafés gourmet, madeira certificada, vinhos biodinâmicos. Para as chamadas commodities, isso já não é tão comum. É que se consegue facilmente melhor preço por um café certificado, pela madeira, pelo vinho. Mais difícil conseguir isso para a soja, milho, algodão, que são matérias primas. Então porque certificar, por exemplo, a soja ou algodão?

Embora isso não tenha importância para muitos produtores, a imagem pode ser um fator interessante em algumas negociações. Portanto, a primeira vantagem da certificação seria a construção de uma imagem favorável. Outro fator seria a segurança de gestão. A legislação ambiental, trabalhista, contábil é complicada, mas fazendas certificadas têm uma espécie de “certificado de boa conduta”, pois os programas exigem o cumprimento de toda legislação.
 
Mais um fator, bem palpável em algumas situações, seria uma vantagem em financiamentos, principalmente em volume financiável e juros menores. Alguns grandes bancos já estão trabalhando assim. Conquista, ou preferência de mercados é outro fator importante. Alguns países têm optado pelo algodão brasileiro em função da iniciativa Algodão Brasileiro Responsável. E, finalmente, vantagem financeira direta. Embora exista vantagem para produtos como café e madeira, para produtos como soja e algodão esta ainda não é uma generalidade. Consegue-se vantagem financeira em alguns casos, mas o produtor não deve se iludir e certificar sua propriedade pensando nisso, pelo menos não em curto prazo.

Enfim, os consumidores estão cada vez mais exigentes, com estilos de vida mais sustentáveis, e precisam de alguém que lhes assegure que os produtos consumidos estejam de acordo com suas escolhas de vida. Assim surgem os programas de certificação, e as fazendas certificadas. O valor econômico da certificação para produtos como a soja, milho e algodão certamente um dia será reconhecido. Ganhará quem estiver pronto.

Por Ciro Antonio Rosolem, Vice-Presidente de Estudos do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) e Professor Titular da Faculdade de Ciências Agrícolas da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (FCA/Unesp Botucatu).

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img



img
RSS  Artigos Artigos

Denunciado formalmente e ameaçado de tornar-se réu pela prática de crimes, o presidente Michel Temer vive a solidão do poder. O cercam aliados também problemáticos que, como num abraço de afogados, esperam desesperadamente, via corporativismo, a oportunidade se...
Escolher qual profissão seguir não é tarefa simples. Uma das grandes dificuldades nesse processo é o aumento da quantidade de profissões disponíveis para o candidato escolher, em um mercado de trabalho cada vez mais exigente e competitivo. Além disso, quando o candidato apresenta diferentes áreas de interesse (gostar de música e de química ao mesmo tempo, por exemplo), deverá refletir sobre quais dessas atividades gostaria de...
Essa ideia é muito comum a muita gente. Dizemos que o mundo é perfeito e que o ser humano com sua ação, com seus pecados, o estraga. Não há dúvidas que muitas coisas que fazemos não favorecem a harmonia da criação. Muitas ações do ser humano estragam a beleza da...
O projeto de lei aprovado na Câmara dos Deputados promove uma devastação dos direitos trabalhistas, individuais e coletivos. Em apenas duas semanas, os deputados rasgaram o projeto encaminhado pelo poder Executivo e fizeram uma radical mudança no sistema de...
O número de acidentes nas estradas do Brasil é preocupante: mais de 41 mil pessoas morrem todos os anos, vítimas de acidentes fatais, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Estatísticas indicam que 94% dos acidentes fatais são decorrentes de falhas humanas. Todos os anos, instituições não governamentais e o poder público discutem medidas variadas para educar e mobilizar motoristas, pedestres e...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
Obra da Ática, lançada em 2011, traz as ilustrações originais de Jim Kay e tradução do escritor Antônio Xerxenesky. É o pesadelo de novo, como em quase todas as noites depois que a mãe de Conor ficou doente. A escuridão, o vento, os gritos – e o despertar no mesmo ponto, antes de...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK