Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A falência da Nova República
 
A falência da Nova República
12/04/2017 as 15:34 h  Autor Tenente Dirceu Cardoso Gon&cce  Imprimir Imprimir
A Sexta República Brasileira – inicialmente conhecida como Nova República – iniciada na eleição de 1985, quando o oposicionista Tancredo Neves venceu Paulo Maluf, candidato dos militares, parece agonizar. Depois da aguda crise política e econômica que levou a presidente Dilma Rousseff ao impeachment, oito ministros do governo Temer, 24 senadores 39 deputados, ex-presidentes da República e governadores são investigados como beneficiários dos esquemas de corrupção delatados pelos executivos da Odebrecht. Outros ainda poderão ir para o mesmo caminho nas delações das demais empreiteiras e esquemas apurados na Operação Lava Jato. Tudo isso num país em profunda crise econômica e sob a ameaça de distúrbios decorrentes das reformas – especialmente a trabalhista e a da previdência – que o governo insiste em realizar sob a alegação de serem imprescindíveis. A grande dúvida está sobre a representatividade do atual Congresso e do próprio governo com tantos investigados.

Culpa-se hoje a Constituição de 1988 – muito ampla, de mote parlamentarista e extremamente emendada, além de carente de regulamentações – como motivadora de pelo menos parte da desordem em que vivemos. Os defensores de uma nova Constituição vêem na sua elaboração o meio mais adequado para reformar o Estado, montar um sistema político-eleitoral funcional e responder às distorções que hoje atrapalham a vida nacional. Congressistas e até membros do governo concordam com a convocação da Constituinte, divergindo apenas sobre detalhes, o que é normal.

A partir da queda do império, vivemos a Primeira República (1889-1930), a Era Vargas (1930-1945), o Nacional Desenvolvimentismo (1946-1964), o Regime Militar, hoje chamado ditadura (1964-1985) e a Sexta ou Nova Republica (de 1985 até hoje). Cada período  teve suas dificuldades, crises, golpes e tentativas, endurecimentos e liberalidades que os conduziram ao fracasso. O Exército, que proclamou a República ao final do século 19, se fez presente na política até o final do regime de 1964 e depois se recolheu às suas funções. Hoje, com a falência da Sexta República, grupos pedem a sua volta.

O país vive um grave impasse. É o momento em que os brasileiros, especialmente os que detém algum tipo de liderança ou poder, se mobilizarem acima de ideologias, utopias e interesses próprios. É a hora de pensar no Brasil com toda sinceridade, e buscar o melhor para as futuras gerações. O ciclo vencido precisa, com a maior rapidez, ser substituído por um novo, que devolva a população as oportunidades, a ordem, a auto-estima e a perspectiva de melhores dias.
 



Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves
- dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo) - aspomilpm@terra.com.br


 

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Montesquieu, em seus pensamentos, ensinava: “Quando vou a um país, não examino se há boas leis, mas se são executadas as que há, pois existem boas leis por toda a parte”. E Sólon, o filósofo grego, ao ser perguntado se outorgara aos atenienses as melhores, saiu-se com esta resposta: “dei-lhes as melhores leis que eles podiam aguentar”. As duas pequenas lições calham bem no momento vivido pelo país. Primeiro, por refletir o estado...
Este ano teremos eleições para presidente e governadores. Todos, sem nenhuma exceção, farão duas promessas: reduzir a pobreza e reduzir o desemprego. Esses são os dois maiores flagelos sociais brasileiros. Ainda que todos digam as mesmas coisas e façam as...
O presidente Michel Temer afastou quatro dos 12 vice-presidentes da Caixa Econômica Federal, investigados por irregularidades apuradas pela Operação Greenfield, do Ministério Público Federal. O Conselho da instituição se prepara para assumir a tarefa de nomear e demitir esses...
Em 21 de janeiro celebra-se o Dia Mundial da Religião. Em artigo publicado na Folha de S.Paulo na década de 1980 arguido por um leitor se não sectarizaria a minha palavra o fato de, em meus escritos, dar muito valor à Religião, escrevi: Não vejo Religião como ringues de luta livre, nos...
Na medida em que vamos caminhando e construindo a nossa vida, também vamos deixando rastros. Os rastros são as marcas que deixamos. Podem ser marcas de amor e podem ser marcas de dor e desgosto. Perguntar a si mesmo sobre que rastros eu estou deixando é muito importante...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK