Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > Aumento real e ultratividade
 
Aumento real e ultratividade
10/04/2017 as 09:50 h  Autor Sergio Luiz Leite  Imprimir Imprimir
É possível vencer a crise. No mesmo dia em que o Dieese mostrou que apenas 19% de 714 negociações salariais realizadas no ano passado superaram a inflação, os trabalhadores e trabalhadoras nas indústrias farmacêuticas conseguiam aumento real e elevação de 5% no Piso salarial e demais salários sobre inflação de 4,65%; participação em lucros e resultados; e, especialmente, a manutenção das cláusulas do último contrato coletivo pelos próximos dois anos.

Trata-se, em relação ao último ponto, da ultratividade – o preceito que garante aos trabalhadores a vigência do contrato coletivo, nos períodos presente e futuro, negociado anteriormente. Não é uma pequena conquista, ao contrário. Ela rebate à altura a recente decisão tomada contra os interesses dos trabalhadores, no Supremo Tribunal Federal, de negar o princípio da ultratividade a toda e qualquer categoria. Na prática, ao contrário do que gostariam os juízes, a história foi bem outra.

A obtenção do aumento real frente à crise e a peitada, por assim dizer, na desconstrução promovida pelo Supremo, deixam claro que a mobilização dos trabalhadores, o preparo dos dirigentes e a condução correta de negociações coletivas seguem sendo uma fórmula vitoriosa para a prática sindical. Há outras, que incluem, naturalmente, a greve, mas esta é basal, primeira e insubstituível.

Para chegar ao resultado que, na Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas e Farmacêuticas do Estado de São Paulo (Fequimfar) nos orgulha a todos, começamos a campanha salarial ainda no mês de fevereiro. Nossos aguerridos diretores, cerca de 25 delegados e cerca de 300 dirigentes, no universo de uma categoria de 20 mil trabalhadores, percorreram, informaram e tomaram ciência do momento real dos farmacêuticos. A constante ida e vinda de pessoas e notícias, entre as bases e os 25 Sindicatos do setor, gerou estratégias e mobilizações as mais diversas. Mostrou ao patronato, sobretudo, uma categoria viva, atuante e vibrante.

Essa é grande lição que fica desta campanha salarial: é possível avançar mesmo em meio à mais difícil conjuntura, desde que haja trabalho sindical duro e consequente no dia a dia, o que gera confiança e ânimo em nossas bases. Por isso, defendemos sempre o fortalecimento e autonomia da negociação coletiva. É o caminho para continuarmos avançando e conquistando melhorias para a classe trabalhadora.




Sergio Luiz Leite
(Serginho) é 1º secretário da Força Sindical e presidente da Fequimfar.
E-mail: fequimfar@fequimfar.org.br


Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img



img
RSS  Artigos Artigos

Segundo uma nova pesquisa realizada pelo instituto Vox Populi, no final do mês de outubro, o ex-presidente Lula aparece com 42% das intenções de voto. Jair Bolsonaro, o mito, cantado em verso e prosa pela direita radical, como o único capaz de derrotá-lo, aparece com 16%. Eu tenho...
A resumir: O MPDF e a 10ª Vara Federal do DF estão a fazer Lawfare e a intenção é indubitavelmente política e partidária, pois visa criar manchetes e criminalizar a imagem de Lula para que ele não concorra às eleições e muito menos as vença, a desviar o foco da população quanto...
Quando Lula, no seu primeiro mandato, quis fazer a reforma da previdência dos funcionários públicos, que mexia com direitos dos servidores públicos, alguns deputados federais como Babá, Luciana Genro, João Fontes e a senadora Heloisa Helena, se rebelaram e disseram não. Indignado com tamanha rebeldia de seus comandados, Lula resolveu puni-los. Com essa decisão estes deputados e outros militantes resolveram sair do PT e desta debandada foi que surgiu o PSOL. Vale lembrar que também se rebelaram os...
É chocante e difícil de ver ou tolerar sem se indignar, a imagem do presidente da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro e de outros parlamentares indo para a cadeia. Não menos constrangedor é saber que existe, na Câmara Federal, um parlamentar que só sai da prisão para comparecer...
O feriado de 15 de novembro não é valorizado como devia. Todos gostam de um feriadinho, mesmo que caia numa quarta-feira como nesse ano. O problema é que grande parte dos nossos escolares, de todos os níveis, desconhecem sua importância no contexto histórico. Na época da proclamação da República – 1889, o Brasil era o único país independente do continente americano, ainda governado por um monarca, uma vez que em 7 de setembro de 1822, D. Pedro I proclamara...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
Com os filhos pequenos à sua volta, Graça Ramos fazia a brincadeira das palavras para estimulá-los a construir um vocabulário rico. “Saía muito disparate”, ela se diverte ao lembrar. Ainda grávida, lia em voz alta para que os bebês em...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK