Novoeste on-line - Onde o Oeste da Bahia é Notícia
> Principal > Artigos > Pauta Livre > A guerra de Israel em Gaza: Não olhe atrás da cortina
 
A guerra de Israel em Gaza: Não olhe atrás da cortina
09/08/2014 as 11:09 h  Autor Kevin Carson  Imprimir Imprimir
Acabo de ler uma matéria que me passou despercebida em abril. Aparentemente, o Fatah (a organização de guerrilha nacionalista que era um dos maiores braços da OLP) e o Hamas anunciaram sua reconciliação e planos para formar um governo de unidade — “um desenvolvimento que poderia colocar os territórios palestinos sob liderança unificada pela primeira vez em anos” (“Hamas, Fatah announce talks to form Palestinian unity government“, CNN, 23 de abril).

Não consegui deixar de relembrar outra reconciliação histórica — que aconteceu 50 anos antes. Ngo Dinh Diem do Vietnã do Sul e Ho Chi Minh do Vietnã do Norte começaram conversas para formar um governo nacional interino único seguido de eleições gerais, como previsto originalmente sob os termos dos Acordos de Genebra de 1954. Dada a rejeição dos camponeses à elite de latifundiários católicos e a popularidade da Frente de Libertação Nacional em grande parte do Sul, o resultado provável dessa eleição teria desagradado o governo dos Estados Unidos.

Essa reconciliação histórica foi seguida pelo golpe militar que derrubou Diem em 1963, instigado pela CIA, e sua substituição por um general mais alinhado aos interesses americanos. Como no golpe que ocorreu mais tarde com apoio da União Soviética para instalar o governo de Karmal no Afeganistão, a instalação de um governo mais cooperante abriu caminho para a introdução em ampla escala das forças militares americanas no Vietnã do Sul.

Como os Estados Unidos de 50 anos atrás, Israel tem todos os motivos para temer um acordo de paz entre dois antigos adversários. Tendo isso em vista, o recente ataque israelense a Gaza não podia ter acontecido em melhor hora.

Estariam os dois fatos conectados? Não é possível dizer, mas as ondas de ataques de foguetes do Hamas no passado em geral ocorriam em resposta a provocações unilaterais de Israel, como a violação de um cessar-fogo ou o assassinato de um líder do Hamas, seguido pelo uso dos ataques pelo exército israelense como pretexto para seus suas ações militares. É quase como se o as forças armadas de Israel compilassem uma lista de alvos e, ocasionalmente, procurasse alguma desculpa fabricada para utilizá-la.

Neste caso, Israel acusou o Hamas de sequestrar e assassinar três adolescentes israelenses, sem provas. O Hamas, que geralmente assume a autoria dessas atrocidades, negou sua responsabilidade. Entretanto, Israel, em sua Operação Protetor do Irmão, prendeu centenas de palestinos sem acusação criminal e invadiu ou demoliu centenas de casas — em outras palavras, uma represália coletiva contra uma população civil. O Hamas respondeu a essas provocações com foguetes. E Israel usou isso como pretexto para outra de suas monstruosas e desumanas guerras contra o campo de prisioneiros a céu aberto que é Gaza.

E adivinhe só: agora as lideranças israelenses admitem que não foi o Hamas que matou os garotos.

Eu já vi muitos sionistas e apologistas de Israel nas mídias sociais exaltarem o desejo de Israel pela paz e a natureza violenta do Islã. Tudo o que eu posso dizer é que, se eles não acham que Israel se coçava há muito tempo por uma guerra e uma desculpa para sacar sua última lista de alvos, são idiotas. Eu não posso provar que Israel deliberadamente instigou esta guerra precisamente porque ele temia um partido palestino unificado do outro lado da mesa de negociação. Mas certamente me parece que esse foi o caso.

Criar pretextos para guerras, para se proteger de “ameaças externas iminentes” é o que os estados fazem. Muitos alemães em 1939 sinceramente acreditavam que Hitler foi à guerra contra a Polônia em autodefesa, em resposta às provocações contra pessoas etnicamente alemãs em Danzig. Se uma CNN alemã existisse na época, seus âncoras e Pessoas Muito Sérias certamente teriam discutido qual seria a resposta apropriada à “ameaça polonesa”.

Na grande maioria dos casos, os propósitos reais de uma guerra e as razões que um estado dá como pretexto são coisas inteiramente diferentes. O músico folk Utah Phillips tinha a ideia certa quando disse: “Eu aprendi na Coreia que nunca mais na minha vida eu delegaria a outra pessoa meu direito e minha capacidade de decidir quem é o inimigo.




Kevin Carson

Pequisador sênior do Centro por uma Sociedade Sem Estado (c4ss.org)

Comente via Facebook
Mais Artigos
Não há comentários.
img


img
RSS  Artigos Artigos

Quando me perguntam se é possível aplicar na educação brasileira práticas bem-sucedidas de países com melhores resultados educacionais que o Brasil, costumo responder - para surpresa do interlocutor - com uma afirmação e uma negativa. Essa conjunção de ‘sim e não’ é a...
Até o pleito de outubro, os eleitores colocarão uma lupa sobre os candidatos. Farão um controle mais apurado do que em eleições passadas. Primeiro, em função da desconfiança que paira sobre os políticos. Segundo, porque o voto começa a sair do coração para subir à cabeça. O voto...
Na esteira da decretação de intervenção na segurança pública do Rio de Janeiro, vemos o embate de como executar o trabalho. Membros do governo dizem que as Forças Armadas não terão poder de polícia, falam em ação de busca e apreensão monitorada pelo Judiciário e...
Isso é Brasil! Até onde vai a promiscuidade dos nossos governantes?  Será que estão realmente preocupados com a melhoria do ensino de medicina ou com possíveis futuros financiadores de campanhas políticas, em face à realidade nacional?  Pois bem; de olhos gananciosos no alto...
O escritor sergipano Ariosvaldo Figueiredo escreveu certa vez que “moralismo e juridicismo são vertentes ideológicas de uma pequena minoria conservadora”. Frase que nunca esteve tão atual como nos dias em que vivemos, onde quem deveria zelar pela moral e pelos bons...
img
img
img
PUBLICAÇÕES RECENTES
img




img

img
img
img
CASAS img LOTES img FAZENDAS
img
CHÁCARAS img PRÉDIOS COMERCIAIS img GALPÕES
img
RSS  Dicas de Leitura Dicas de leitura
img
Como falar às crianças e adolescentes sobre respeito às diferenças? E se essas diferenças forem algo de certa forma muito difícil de explicar? É isso que faz de forma poética e muito alegre o livro Você sabe quem eu sou? Então vou te contar, de Herica B. T. Secali.
Ao questionar Paulo Freire, Ronai Rocha analisa alguns dos paradigmas mais arraigados na nossa educação. A crise na educação brasileira é inegável. A baixa qualidade das aprendizagens, a estagnação do desempenho escolar nos testes padronizados, a pouca...
Mais de quinze anos depois do lançamento de As aventuras de Pi, Yann Martel retoma ao cenário literário com o romance As altas montanhas de Portugal, publicado no Brasil pelo selo Tordesilhas. Nesse livro, Martel mantém o estilo inventivo e...
img
img
RSS  Top Vídeos Top Vídeos
img
Thumbnail
img
img
img
RSS  Classificados Classificados
img



img
img



RSS GOOGLE + YOUTUBE TWITTER FACEBOOK